Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Homem que matou e arrancou coração da esposa em SP teria pedido para ser morto por policiais

Segundo a polícia, ao ser flagrado, suspeito teria dito que fez ‘uma besteira’ e pedido para ser morto; casal estava junto há 29 anos e tinha dois filhos

O homem que matou a própria esposa, com quem foi casado por 29 anos, e arrancou o coração e vísceras dela, teria pedido para ser morto pelos policiais após o crime. O crime aconteceu na segunda-feira (26), em Tupã, no interior de São Paulo. As informações são do Metrópoles.

Minutos após o crime, policiais militares chegaram à casa invadida pelo gerente comercial Marcelo Nistarda Antoniani da Silva, de 49 anos e encontraram o suspeito com as mãos para cima, manchadas com o sangue da vítima. Ele teria dito que fez uma besteira e pediu para ser morto.

Segundo a polícia, o gerente estava “alterado” e, por isso, teria sido imobilizado pelos agentes e, em seguida, algemado. Os policiais também encontraram o corpo de Milena Dantas Bereta Nistarda da Silva, 53 anos, “dilacerado”, segundo a descrição dos militares.

Mulher havia acabado de conseguir medida protetiva

A Polícia Civil informou que a vítima procurou a delegacia por volta das 9h30, registrou um boletim de ocorrência por violência doméstica e pediu medida protetiva contra o marido. Ainda segundo a polícia, Milena teria voltado para casa e se trancado no imóvel.

No início da tarde, o marido arrombou o portão com o carro, invadiu a residência e atacou Milena a facadas. Mesmo com ela morta, continuou golpeando o corpo até deixar as vísceras expostas.

Milena e Marcelo eram casados há 29 anos e tinham dois filhos, de 26 e 29 anos.

Vítima vivia em cárcere privado

Ao pedir a medida protetiva para a a polícia, Milena contou que era obrigada a manter relações sexuais conta a sua vontade, e que vivia constantemente monitorada pelo marido. Ela ainda disse que vivia em cárcere privado.

Ela disse que a situação piorou após os dois filhos saírem de casa, disse que a violência era feita de forma sutil e que ele “sempre arrumava alguma desculpa para ela não sair de casa”.

A mulher registrou um boletim de ocorrência de violência psicológica contra o marido e solicitou medida protetiva contra ele, que a assassinou horas depois.

Há 10 anos, Milena já havia registrado um boletim de ocorrência contra o gerente por agressão.

Leia também

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Fernanda Rodrigues é repórter da Itatiaia. Graduada em Jornalismo e Relações Internacionais, cobre principalmente Brasil e Mundo.
Leia mais