Ouça a rádio

Compartilhe

Ederson e o doping que salvou sua vida

Tumor no testículo do jogador do Flamengo foi diagnosticado por meio de exame na urina

Ederson e o doping que salvou sua vida

Quando se fala em doping, a primeira sensação é que o mundo acabou para o atleta pego no exame. Verdade. Porém, no caso do meia Ederson, do Flamengo, foi motivo para salvar sua vida. O jogador foi flagrado duas vezes com substância proibida na urina nas duas primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro deste ano, contra Atlético e Atlético-GO.

O hormônio produzido pelo organismo veio de um tumor no testículo, comum nesta idade do atleta. A experiência nestes casos dos doutores Jorge Pagura, chefe médico da CBF, e Fernando Solera, presidente da Comissão antidopagem do Brasil, levaram à desconfiança da existência de tal tumor no atleta rubro-negro.

Ederson não está livre de uma punição do Tribunal de Justiça Desportiva, conforme determina a WADA (sigla em inglês para Agência Mundial Antidoping) e a FIFA. Entretanto, o Flamengo tem a chance de produzir provas laboratoriais de que o doping veio da presença do tumor no testículo do atleta.

Nesse momento, o mais importante é a saúde do homem. 

Clique aqui para ouvir o depoimento do Dr. Fernando Solera sobre o caso.