Ouça a rádio

Compartilhe

Fim da Era Ricardo Teixeira

Fim da Era Ricardo Teixeira

Ricardo Teixeira chegou à presidência da CBF em 1.989. Era uma instituição falida. Devia salários aos funcionários, premiações aos jogadores da Seleção Brasileira que joga por cota de R$ 150 mil e vivia com dinheiro do governo proveniente de dois jogos da loteria esportiva para fazer o campeonato nacional.

Ricardo Teixeira pagou os salários e prêmios, dispensou o dinheiro do governo, deixou de cobrar dos clubes  5% da renda bruta dos jogos do campeonato brasileiro. De inicio aumentou a cota da Seleção Brasileira para U$ 500 mil e saiu em busca de patrocinadores.

Ricardo Teixeira ao deixar a CBF em carta renúncia montou uma empresa saudável financeiramente com patrocinadores, cota de 3 milhões euros por jogo da Seleção Brasileira, faturamento anual de R$ 330 milhões e lucro de R$ 80 milhões, uma sede nova com centro de treinamentos e hotel 5 estrelas em construção, avião e helicóptero. Nas competições promovidas são 60 clubes com atividades de janeiro a dezembro e mais 40 times na série D. Copa do Brasil masculino e feminina, seleção feminina permanente e mais de 120 títulos conquistados além de uma Copa do Mundo para ser realizada no Brasil.

Ricardo Teixeira teve a oportunidade de criar muitos inimigos políticos e com eles a pressão muito grande com direito a denuncia de corrupção e escândalos . Passou por 2 CPIs e sobreviveu por 10 anos com os dois gols de Ronaldo Fenômeno naquela final diante da Alemanha na Copa do Mundo de 2012 na Coréia e Japão. Ou alguém acredita que sem a conquista do mundial ele sobreviria?

Com os cofres cheios e o futebol organizado por pontos corridos, agora muita gente vai querer brigar pelo poder. Dr. José Maria Marin precisará ser muito hábil para conter os descontentes e evitar para daqui a pouco uma nova eleição.

Ao deixar a CBF depois da posse de Marin com a renúncia de Ricardo Teixeira, uma raposa felpuda do mundo da política, deixou escapar essa frase: - Acabaram as eras de Havelange e Ricardo Teixeira. Agora terão que consultar as federações antes de decidir no futebol brasileiro.

E pensando mineiramente com meus botões, ficou uma dúvida. Será?