Wellington Campos

Coluna do Wellington Campos

Veja todas as colunas

Mais Notícias

América e Corinthians, casos distintos

Precisamos ser equilibrados para analisar os casos de atletas irregulares de América e Corinthians. Apesar de denunciados no artigo 214, os fatos são...

28/10/2014 às 06:36

Precisamos ser equilibrados para analisar os casos de atletas irregulares de América e Corinthians. Apesar de denunciados no artigo 214, os fatos são diferentes e, por isso, o América foi punido e o Corinthians absolvido. Vamos aos fatos.

O América utilizou um atleta que havia passado por duas transferências no mesmo período. A legislação permite jogar por até dois times no mesmo ano em competições promovidas pela CBF. O lateral Eduardo jogou a Copa do Brasil pelo São Bernardo, depois foi para Portuguesa na Série B, fez seis jogos, e foi para o América, ficando no banco de reservas quatro vezes e atuando em uma partida, o que caracterizou a irregularidade e a perda de 6 pontos.

Faz alguns anos que as transferências são feitas entre os clubes e as federações, sendo o aval da CBF, apenas, o anúncio no BID.

Um atleta pode se transferir quantas vezes quiser. É direito dele de trabalhar. Porém, jogar em competições nacionais, somente em duas equipes. A FIFA fala em apenas uma transferência.

O caso do Petros do Corinthians é diferente. O atleta já estava com contrato de empréstimo em vigor com o clube paulista. O novo registro na federação paulista era, apenas, de contrato definitivo.

Para esse novo registro definitivo, seria obrigado fazer a rescisão do contrato de empréstimo. O sistema não aceita um atleta com dois contratos registrados. O erro da federação paulista foi publicar um BID de contrato futuro.

Na pratica não há a irregularidade de Petros por causa do compromisso de empréstimo no BID.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Raposa já enfrentou o time sergipano em outras três oportunidades, nos anos 1970, e duas em 2005

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Enquanto o grupo ganha cerca de US$ 15 mil por minuto, mais de 163 milhões de pessoas estão na faixa da pobreza

    Acessar Link