Wellington Campos

Coluna do Wellington Campos

Veja todas as colunas

Mais Notícias

A busca pela Seleção Brasileira ideal

A busca pela Seleção Brasileira ideal

06/05/2013 às 02:27

Com tantos anos de janela, acabei aprendendo muitas coisas sobre Seleção Brasileira. Uma delas, é que, se torce muito mais contra que a favor. A torcida só engrossa quando não tem mais jeito e o time caminha para o título. Aí, quem era contra pode ser a favor, ou apenas se cala diante do sucesso.

Uma outra, que a cada dia fica mais evidente, o craque do jogo do Brasil está sempre ausente. Ou seja, se o fulano estivesse jogando, ou se o técnico o tivesse convocado  para Seleção teria vencido. Mas quando essa cara está jogando, os mesmos analistas que pediram sua convocação são os primeiros a criticar. Faz parte do jogo.

Observo ainda a falta de patriotismo nosso com o futebol. Já começa na execução do Hino Nacional, quando sentados continuamos e de boca fechada seguimos. São poucos os brasileiros que sabem a primeira parte do Hino, sem querer exigir a segunda parte do tal. Diferente de outras nações que enxergam  no selecionado nacional a "verdadeira pátria de chuteiras"como dizia o tricolor Nelson Rodrigues. O complexo de "vira-lata"ainda existe para muitos.

É comum alguém perguntar se o amigo viu o jogo do Brasil e ele responder que não e ainda não gostou do que ficou sabendo do apresentado em campo. Raramente paramos para ver nosso time em campo defendendo o Brasil.

Na atual fase de renovação é evidente que muita coisa dará errado. Renovar é difícil, principalmente num país que exporta muito cedo seus grandes talentos. Anos atrás, numa entrevista com o então administrador da Seleção Brasileira, Américo Faria, ele já vislumbrava esse cenário de uma equipe formada por jogadores brasileiros que atuam na Europa e sem identificação com o povo brasileiro. A Argentina experimentou isso agora com Leonel Messi, que não precisa ser apresentado. Há quem diga, que Messi deveriater se naturalizado espanhol para jogar pela Espanha. Não gosto disso. A realidade é que o técnico Mano Menezes tem muito trabalho pela frente. É observar, testar, aprovar e reprovar. Ter suas convicções para seguir na montagem de um time. A ausência das eliminatórias será sentida pela falta de competição, diferente do empenho em amistosos. Precisará o treinador de muitos lenços para consolar as viúvas desse ou daquele craque esquecido. O importante é ganhar a Copa do Mundo dentro do Brasil. Ocorrendo, até os quatro pênaltis chutados para fora na Copa América serão esquecidos.

Num pais de 200 milhões de treinadores, lógico, cada um tem uma Seleção diferente. Resta torcer para que nossos melhores jogadores estejam bem em 2014. A frase do ônibus da Seleção Brasileira eu tenho até uma sugestão: "É nós Mano". O MEC já aprovou. Falta você.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Raposa já enfrentou o time sergipano em outras três oportunidades, nos anos 1970, e duas em 2005

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Enquanto o grupo ganha cerca de US$ 15 mil por minuto, mais de 163 milhões de pessoas estão na faixa da pobreza

    Acessar Link