Lucas Ragazzi

Coluna do Lucas Ragazzi

Veja todas as colunas

Política

MP abre investigação por suposta rachadinha em gabinete de vereador de BH

Em nota, Miltinho CGE afirmou que nunca houve prática ilegal e que irá cooperar com apuração

23/02/2022 às 03:26
MP abre investigação por suposta rachadinha em gabinete de vereador de BH

O MP de Minas abriu investigação para apurar se o vereador Miltinho CGE (PDT), da Câmara Municipal de Belo Horizonte, teria feito "rachadinha" em seu gabinete, além de, supostamente, ter se beneficiado por desvios de recursos de uma ONG ligada ao resgate animal, principal bandeira do parlamentar.

Ainda segundo a denúncia que gerou a abertura do inquérito, Miltinho teria escalado servidores de seu gabinete na Câmara para atuar na ONG. O inquérito é conduzido na 17ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público.

Em nota, Miltinho CGE afirmou que nunca houve prática ilegal dentro do gabinete e que irá cooperar com as investigações.

Confira a nota na íntegra:

"Sobre a abertura de Inquérito Civil MPMG-0024.22.000868-4, informo que ainda não fui notificado pelo Ministério Público sobre o caso. Prezo pela autonomia das instituições que cumprem o seu papel em defesa do patrimônio público, por isso estou aberto para quaisquer esclarecimentos com total transparência das informações e documentos que venham a ser solicitados.

Jamais houveram práticas ilegais em meu gabinete. Realizo trabalho voluntário de proteção e resgate animal há mais de 10 anos, principalmente no Rio Arrudas, já tendo salvo mais de 500 animais da morte. As pessoas que participam do grupo de voluntários, lá estão por livre e espontânea vontade. Improcedente afirmar que houve qualquer desvio de recursos em uma ONG da qual fui o idealizador, mas nunca tive participação administrativa, atuando somente como resgatista voluntário.

Com tranquilidade, espero que o Ministério Público faça as devidas diligências e investigue o que for necessário para comprovar que o meu trabalho parlamentar é isento de máculas ou qualquer prática que contrarie a legalidade do serviço público."

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou