Ouça a rádio

Compartilhe

Auditoria americana vai inspecionar sistemas de segurança de barragens da Vale

A coluna apurou que, no início do mês, um dos cabos do sistema falhou, gerando o primeiro "quase acidente", nas palavras de um integrante da Rizzo

Auditoria americana vai inspecionar sistemas de segurança de barragens da Vale

A auditoria Rizzo International, contratada pela Vale após Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público de Minas (MPMG), vai auditar, nos próximos dias, o sistema de segurança instalado pela mineradora em barragens em nível de emergência. Na última sexta-feira (12), duas torres desse sistema nas barragens de Forquilha I e III, em Itabirito, colapsaram, levando preocupação aos trabalhadores e moradores da região. Ninguém ficou ferido.

Para esta quarta-feira (17), é aguardada visita da gerente de segurança da Rizzo, Jill Reed, na mina, além de engenheiros e mecânicos. A ideia da empresa americana é auditar o projeto de segurança e a construção dos sistemas, que inclui torres, cabos e fundações. 

A coluna apurou que, no início do mês, um dos cabos do sistema falhou, gerando o primeiro "quase acidente", nas palavras de um integrante da Rizzo - este episódio também não contou com feridos, assim como a queda das torres registrada na última sexta. 

Há alguns meses, a Vale vem instalando sistemas de segurança, como essas torres, para permitir que os trabalhadores acessem as barragens que estão em nível de emergência sem precisar de helicópteros. 

Em nota, a Vale diz que apura o motivo da queda das duas torres, diz que no momento do tombamento não havia trabalhadores no local e que a área foi isolada. "Importante ressaltar que as torres não atingiram as barragens, as quais não tiveram alteração em suas condições de segurança. As estruturas da empresa passam por inspeções rotineiras de campo e são monitoradas permanentemente por uma série de instrumentos e pelo Centro de Monitoramento Geotécnico". A Vale diz que não há risco para a barragem.