Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Vamos conversar?

Impressionante como nossos políticos são avessos à arte da política. Não ouvem, não ficam frente a frente com professor, delegado ou manifestante.

27/06/2014 às 09:59

Perdoem a insistência, mas, preciso falar de novo na falta de aptidão de nossos governantes para a missão de liderar. Eles são políticos, porém, ignoram a mais pueril das artes que é a de ouvir, dialogar, admitir o contraditório. Escondem-se, sistematicamente, por incompetência ou covardia. Agora, estamos na iminência de uma guerra de liminares cujas consequências ninguém pode prever e, pior, amanhã, que deveria ser dia de mais uma grande festa na Savassi pode ser mais um tempo de medo. Tudo porque querem transferir para a Polícia Militar a missão de governar.

Depois de um ano de apreensão, as manifestações voltaram, agora esvaziadas, mas, com dez ou quinze pessoas dispostas à quebradeira. Sem qualquer apoio institucional, e depois de assistir à destruição de um carro dentro do Detran, ataques à propriedades públicas e privadas, a PM resolveu fazer o cerco. Os manifestantes continuaram com o direito de gritar; os proprietários foram finalmente salvos da destruição. Vem um magistrado e resolve proibir a PM de cercar os manifestantes; o Estado recorre e o presidente do Tribunal de Justiça derruba a liminar com uma explicação óbvia: “A gravidade e a contundência da atuação criminosa eventualmente infiltrada nos movimentos populares”. Por enquanto, é o que vale, mas, a sexta-feira vai ser de pura ansiedade da a possibilidade de novos arroubos forenses.

Por que tem de ser assim? Por que as autoridades, desde o secretário até o prefeito, desde os secretários até o governador, os deputados, juízes, promotores, vereadores, não conversam com os interessados. Ouvem os oficiais da PM, dos bombeiros, os lojistas, os moradores e, sobretudo, os manifestantes. Esses brasileiros indignados são a nossa futura elite política, então, por que temê-los? Deveriam ser reverenciados, como cidadãos que lutam por um mundo melhor, mais decente. Todo mundo foge, com medo da vaia, e fica esperando a Copa acabar para buscar a reeleição ou a manutenção da boca boa. Se, amanhã, quarenta ou cinquenta mil pessoas forem à Savassi, meia dúzia arrumar uma confusão, acontecer uma tragédia ou algum poderoso ficar contrariado, processo no tenente que estiver mais próximo. Covardia. Crueldade. Protesto não é problema de polícia. E quando ela é chamada, já se deve contar com a hipótese de ação vigorosa, cessadas as negociações.
 
Impressionante como nossos políticos são avessos à arte da política. Não ouvem, não ficam frente a frente com professor, delegado ou manifestante; não decidem, não assumem, só aparecem na foto se for ao lado do príncipe e longe do povo. Perdem as manifestações de pura confraternização que acontecem na cidade. Nunca, na história desse país, tivemos Copa tão bonita. E governantes assistindo tudo do sofá. Não adianta fugir porque em outubro haverá outro mata-mata.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Goleiro do América poderá voltar a jogar 'com mesmo nível de excelência'

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Presidente da República admitiu impasses para seu projeto de reeleição em outubro

    Acessar Link