Ouça a rádio

Compartilhe

Tô ficando velho

Tô ficando velho

De repente, lamento a morte de Donna Summer e minha colega de trabalho pergunta: “Quem foi?” Descubro que, nos anos 70, do século passado, quando a conta era a “Rainha do Disco”, a amiga sequer havia nascido. E caio na real de cinquentão. Mas, pensando bem, os últimos acontecimentos e minha reação diante deles já é prova inconteste de que envelheci. Por exemplo: enquanto muita gente acha normal, próprio da liberdade de expressão ou manifestação artística, não consigo aceitar que um “rapper” vem a Minas fazer um show e incita a platéia contra os PMs que estavam ali para protegê-lo. Mas, não se limita a palavra de ordens ou algum ato de má educação... Sugere que todos levantem o dedo maior das mãos para que os policiais sintam qual é o seu lugar.

Mal informado, pois não sabe que se há uma desocupação de área os PMs apenas cumprem ordens, mal intencionado, porque poderia provocar uma reação imediata dos militares, com consequências imprevisiveis, e, também, oportunista, porque a coisa mais fácil do mundo é xingar polícia. Eu devo estar velho, e rabugento, porque não vejo manifestações de repúdio ao visitante mal comportado.

Outra coisa: hoje, deveremos ter mais uma manifestação do movimento de luta antimanicomial... A causa é nobre, a passeta pelas ruas mais centrais do hipercentro é indevida, em dia e hora mais que inadequados. Coitados dos motoristas que precisarem transitar pela Afonso Pena na tarde de hoje. Mas, como diz o Purcino, caro leitor, se mexem nas contas bancárias e nos roubam a apuração é uma dificuldade, enquanto, se a vítima for uma atriz global, esclarecem na hora.

Ah, eu acho que tô ficando mesmo velho porque o Sávio Souza Cruz entrou com um projeto na Assembléia que proíbe o acúmulo de aposentadoria naquela casa com salário de conselheiro do Tribunal de Contas... Mas, a gente não quer combater a bandalheira? E ainda vejo uns moradores sofridos de Lagoa Santa reclamarem da estúpida especulação imobiliária, sem apoio do prefeito, sem amparo da Câmara, sem guarida do Ministério Público, sem explicações convincentes da Justiça...

Ah, tô ficando velho, rabugento e, se bobear, repetitivo, daqueles aos quais ninguém mais dá atenção.