Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Terceirizando a responsabilidade

A terceirização de serviços cresceu como nenhuma outra atividade na economia brasileira nas últimas décadas, por dois motivos: no caso da iniciativa privada desburocratiza, simplifica e aumenta a produtividade

16/05/2014 às 11:31

A terceirização de serviços cresceu como nenhuma outra atividade na economia brasileira nas últimas décadas, por dois motivos: no caso da iniciativa privada desburocratiza, simplifica e aumenta a produtividade – caso de uma montadora de veículos que, evidentemente, não precisa ser a fabricante de bancos, peças e acessórios; e, no serviço público, fruto da esperteza – algumas vezes safadeza – de administradores que, através dos contratos, podem trazer os amigos para perto de si ou aumentar de forma disfarçada o salário dos apadrinhados. 

Mas, a bem da verdade, ainda na máquina pública, é preciso reconhecer que, pelo mau uso da estabilidade, costuma sobrar ao gerente a contratação de terceiros para fazer o serviço dos efetivos. Em outras palavras, tem gente que não quer trabalhar. 

No entanto, a razão deste texto é outra. Quero falar é da ação criminosa de “pseudo” empresários que armam arapucas travestidas de empresas, criam factoides e esperanças vãs em milhares de trabalhadores, abocanham os mais atraentes contratos e, ao primeiro obstáculo, simplesmente colocam uma faixa na porta dizendo que encerraram as atividades e seus antigos colaboradores devem agora procurar o sindicato. 

O caso mais recente é o da PH – iniciais de Paloma Maria de Oliveira Chagas Abreu Chaves e Hélio Chaves de Melo Júnior – que, de repente, anunciou fim de operações e deixou uma grande apreensão para mais de 20 mil trabalhadores. Não dá para acusar a dupla de maldades, até porque só no Tribunal de Justiça de Minas a PH tem crédito superior a 17 milhões de reais. Mas, como pode uma empresa que fatura 100 milhões ser tão mal gerenciada a ponto de não dar conta de honrar os compromissos com a parte mais nobre, mais sensível que são os colaboradores? 

A verdade é que duas práticas perversas são repetidas diariamente na terceirização. A primeira delas diz respeito a essa praga brasileira de lei valer só para os cidadãos, na pessoa física, ou seja, se um síndico transfere o dinheiro do FGTS dos porteiros para a administradora e ela não recolhe, os condôminos pagam de novo, mas, no caso do poder público não há responsabilidade solidária. A outra aberração é representada por ditos empresários que montam uma empresa, quebram, montam outra, vão em frente... Mas, o que eu queria saber mesmo é se eles, na sua vida pessoal, na pessoa física também ficaram quebrados. 

Tem um bacana aí em Contagem que passeia de veículos de luxo sem sofrer e quis até ser vice-prefeito da cidade, depois de uma falência “concreta”. Para diminuir as chances de pilantragem, deveríamos ter a regulamentação deste importante segmento da economia brasileira. Os principais opositores são juízes, promotores e procuradores do Trabalho. Só que eles também contratam terceirizados e contribuem para a lambança. Mais uma coisa: com o recente reajuste, uma varredeira terceirizada da PBH passa a ganhar R$ 1.731,08... No mundo ideal, deveria trabalhar diretamente para a Prefeitura e ganhar 3 mil reais. Seria melhor para ela e diminuiria a nossa conta. Mas...

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Antes da pandemia, cerca de 3.500 profissionais atuavam na área; agora, não é possível precisar o número #itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Mais de 30 militares foram acionados para o combate às chamas, que durou cerca de seis horas #itatiaia

    Acessar Link