Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Quem vai educar nossos netos?

Quem vai educar nossos netos?

06/05/2013 às 02:13

Quem lecionará para as futuras gerações de crianças e adolescentes? A questão, que parece futurista, na verdade já é um problema recorrente tanto em escolas públicas quanto particulares em todas as regiões e cidades do Brasil. O assunto é tão sério que o Conselho Nacional da Educação apurou, em 2011, um claro de 300 mil professores na educação básica. Como parte das comemorações dos 70 anos do Instituto de Ciências Humanas da PUC Minas, houve uma aula inaugural, ministrada pela professora Iria Brzezinski, sobre a importância da formação de professores no mundo contemporâneo. A diretora do Instituto, Carla Ferreti Santiago, enumera alguns dos graves problemas com o pouco número de docentes que são formados por ano em todo o país: a grave perda da qualidade da educação, muito longe do nível de sociedade sustentável que se almeja; a contratação de grande número de professores para ministrar disciplinas nas escolas de educação básica, para áreas nas quais não se formou, gerando precarização do trabalho, principalmente no ensino médio; e uma desvalorização do magistério, com alunos que não respeitam o professor que não se formou naquela área da referida disciplina. Em outras palavras, por que a garantia constitucional de escola de qualidade para todos continua sendo uma utopia? Como, o aluno de uma escola municipal ou estadual, vai competir no vestibular com alguém que vem do Bernouli ou do Santo Antônio se não tem sequer professor que de fato esteja preparado para lecionar a matéria na qual está escalado? É isso mesmo. Faltam professores de Física, principalmente, mas, também, de Química, Matemática, Língua Portuguesa, Língua Inglesa, Língua Espanhola e, convenhamos, em todas as matérias. Então, você pergunta: tá certo, ou melhor, está errado, mas, o que interessa é saber qual é a solução... A providência a ser adotada é tratar a Educação com “E” maiúsculo, considerando o tratamento que países como a Coréia do Sul deram para o grande salto de desenvolvimento, de qualidade de vida. Temos, neste momento em que se discute royalties do petróleo, grande oportunidade de destinar à Educação o tratamento que ela merece... Ou a gente faz isso ou continuamos lamentando a violência, o esfacelamento da família, a proliferação das drogas, o fim do mundo...

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    A suspeita é de que a vítima estava em alta velocidade #itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O homem estava sem capacete e foi localizado com vários ferimentos na região da cabeça #itatiaia

    Acessar Link