Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Por minha culpa,...

A culpa que tenho como profissional de mídia é não ter encontrado tempo e disposição para, nas últimas décadas, ser mais incisivo na cobrança em relação a critérios de licenciamento.

20/01/2016 às 10:59

Nós, da mídia, somos pagos para apontar defeitos, sugerir correções e cobrar providências; tudo isso, claro, em trabalho de reportar (lembrar) e transmitir (propagar) os fatos. Penso que a contrapartida que devemos oferecer à sociedade é estar minimamente informado para contribuir no debate dos temas, sem caluniar ou ofender, e sempre atentos a atos e omissões para admitir também as nossas faltas. Assim é que, hoje, quero assumir a minha parcela, como repórter, no rol de erros que resultaram na tragédia da Samarco em Mariana.

E faço isso, no dia em que a Rádio Itatiaia comemora 64 anos para deixar bem clara a distinção entre os interesses econômicos da empresa e a minha liberdade de trabalhar. Aquela frase dita em 20 de janeiro de 1952 por Januário Carneiro – “Nós vendemos espaço, não vendemos opinião” – segue sendo um lema da casa e quero reiterá-lo. Nos 30 anos em que nela estou como colaborador nunca fui impedido de tratar de um assunto apenas porque o patrão não queria. Há, sim, ponderações, boa vontade com os parceiros, freios de arrumação quando o assunto, apesar de render ibope, pode significar riscos à integridade de terceiros, enfim, situações que exigem responsabilidade. Censura, não! E posso encher a boca para dizer que também não acontece na Rede Record e no Hoje em Dia.

A culpa que tenho como profissional de mídia é não ter encontrado tempo e disposição para, nas últimas décadas, ser mais incisivo na cobrança em relação a critérios de licenciamento e comportamento da mineração; deveria, em 2007, ter discutido com o governo do Estado a construção da barragem de rejeitos de fundão sem projeto definitivo; devia ter ido qualquer dia a Bento Rodrigues para denunciar a proximidade daquelas vidas com o monte de lama; devia ter ouvido especialistas sobre a possibilidade de um rompimento como aquele resultar em contaminação de todo um rio da grandeza do Doce; devia ter perguntado à polícia, ao Ministério Público e a ao Judiciário sobre punições a outras empresas por desastres semelhantes, de menor repercussão, mas, também graves.

Posso apresentar a “des” culpa da falta de tempo, ritmo alucinante da rotina diária, falta de estrutura das empresas nas quais e muito mais. Prefiro, no entanto, assumir a culpa de não ter feito. E questionado meus superiores, afinal, se agora temos tantas equipes para cobrir a lama, por que não conseguimos uma para prevenir? Ainda hoje, muitas perguntas estão no ar, em relação a Samarco e a toda a mineração. Faço minhas as palavras do grande Apolo Heringer Lisboa: “A tragédia da Samarco é fruto de um tempo em que mineradora manda na Federação das Indústrias, pauta governos e ganha mais aplausos que questionamentos da mídia”.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Números se tornam expressivos por causa da grande transmissibilidade da variante ômicron, que é mais contagiosa #Itatiaia https://www.itatiaia.com.br/noticia/fiocruz-aponta-...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    A cantora disse que a produção escolheu os participantes 'mais leves', já que o BBB21 foi alvo de críticas pelo 'clima pesado' #Itatiaia https://www.itatiaia.com.br/noticia/...

    Acessar Link