Ouça a rádio

Compartilhe

Notícia boa que vem do lixo

Notícia boa que vem do lixo

Além de ser momento único de confraternização e  afirmação de auto-estima de cidadãos especiais, o Festival de Lixo e Cidadania, realizado semana passada em Belo Horizonte, possibilitou o debate sobre um dos temas mais importantes não apenas para o Brasil, mas em todo o mundo hoje: a coleta, o tratamento e a destinação dos resíduos sólidos. O Brasil produz 148 mil toneladas de lixo todos os dias e 59% dos municípios têm de conviver com lixões a céu aberto – reduto de urubus e doenças, em meio a crianças e adultos miseráveis revirando tudo em  busca de algo aproveitável. Vivemos situações as mais estapafúrdias, como máfias corrompendo prefeitos em vários estados, simultaneamente, inventando novas formas de roubar o dinheiro público sem resolver o problema. Há também soluções de difícil compreensão, como no caso de Belo Horizonte que, hoje, destina seu lixo para um aterro privado em Sabará, sendo que os resíduos da metade da cidade vão direto nos caminhões de coleta e os outros, da metade oeste,  são levados primeiro ao antigo depósito, colocados em carretas de maior capacidade para, então, seguir até a aterro. Estima-se que as cidades brasileiras gastem cerca de 8% de todo o seu orçamento só com o lixo. É muito dinheiro. No seminário, tanto a ministra Isabela Teixeira quanto o secretário José Carlos Carvalho anunciaram a disposição de estimular a formação de consórcios entre os municípios de forma que várias cidades possam construir um só aterro, viabilizando, assim, o tratamento e uma correta armazenagem dos resíduos sólidos. Além de regulamentar lei recém-sancionada, o presidente Lula promete 1,5 bilhões de reais para investimentos no ano que vem.