Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Mistura explosiva

Cocaína vendida em Minas Gerais tem até 40 por cento de cafeína - substância de ação estimulante, e elevado teor de lidocaína, com função anestésica.

04/08/2014 às 09:56

Um trabalho da pesquisadora Elisângela Jaqueline Magalhães, realizado no Departamento de Química da Universidade Federal de Minas Gerais em parceria com o Instituto de Criminalística do Estado, resultou em artigo para revista científica de circulação internacional e em tese de doutorado, mas, infelizmente, não teve a repercussão que deveria entre nós. Para quem teme o caráter destrutivo do crack, por ser uma droga resultante de misturas explosivas, o estudo revela algo igualmente grave: a cocaína vendida em Minas Gerais tem até 40 por cento de cafeína - substância de ação estimulante, e elevado teor de lidocaína, com função anestésica. A droga fica ainda mais agradável para os usuários, que correm mais riscos com diluentes, como sulfato e carbonato de cálcio e cloreto e bicarbonato de sódio, para aumentar o lucro dos traficantes.

Aqueles que não acompanham o noticiário policial com frequência talvez não saibam de reações absolutamente inumanas que são registradas pela polícia no dia-a-dia. É o usuário que ameaça matar toda a família, o casal drogado que assalta o taxista, toma o dinheiro e o agride com golpes de machadinha ou o rapaz usuário que, de repente, saltou de uma cadeira de rodas e passou a agredir os funcionários de um hospital no Sul de Minas em quadro de fúria incontrolável. São situações de descontrole altamente perigoso para terceiros e para a própria pessoa.

A pergunta é: por que a polícia não fala mais com a universidade, os professores e pesquisadores não conversam mais com agentes e patrulheiros para que todos tenham melhor compreensão do momento. Depois do trabalho na Química da UFMG a coordenadora da pesquisa, professora Clésia Nascentes, disse que agora é possível conhecer melhor a droga de rua. Então, por que ela não é levada aos batalhões da PM para falar aos policiais que só enfrentam as consequências e, na maioria das vezes, não sabem avaliar o tamanho da encrenca em que estão se metendo exatamente por não conhecer o teor da substância usada pelo cidadão a ser abordado.

O trabalho parece sensacional, até porque as amostras, disponibilizadas pelo Instituto de Criminalística, foram coletadas em Minas Gerais e no Amazonas, resultando em uma constatação aparentemente obvia, mas, sem dúvida, interessantíssima: a droga oferecida aos mineiros tem um grau de pureza que varia de 6 a 75 por cento, ou seja, pode ser de boa qualidade ou mistura fatal, enquanto a do Norte do país é mais pura – por um motivo simples: lá, estão mais perto dos países produtores enquanto a cocaína vendida em Minas pode ter passado por vários traficantes intermediários. E repare na gravidade de uma afirmação lógica da professora Clésia ao ver aumentado o risco do usuário:  “Como a composição é extremamente variada, a pessoa, caso compre de fornecedores diferentes, às vezes, é surpreendida por uma cocaína mais pura, o que pode ocasionar um quadro de overdose, pois ela não estava acostumada com aquela alta concentração”.

Só uma pergunta: já pensaram o que vão encontrar quando pesquisarem a qualidade do crack?

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Você é a favor da capacidade máxima nos estádios durante o Mineiro? Dê sua opinião! #Itatiaia https://www.itatiaia.com.br/noticia/reuniao-entre-governo-de-minas-e-fmf-na-qua...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Com crescimento no número de casos em janeiro, o município abriu mais 204 leitos de enfermaria e nove de UTI #Itatiaia https://www.itatiaia.com.br/noticia/prefeitura-de-belo...

    Acessar Link