Ouça a rádio

Compartilhe

Meta flexível não é meta

“A meta de superávit primário, a economia que é feita para pagamento dos juros da dívida pública, novamente não foi atingida".

Com o título acima – e a autoridade de consultor respeitado – Luis Borges fez uma análise em seu blog “Observação e Análise” que ouso dividir com os que me prestigiam nas reflexões. Eis a íntegra:

“A meta de superávit primário, a economia que é feita para pagamento dos juros da dívida pública, novamente não foi atingida. A meta inicial era encerrar o ano de 2015 com uma sobra de R$66,3 bilhões, o equivalente a 1,19% do Produto Interno Bruto (PIB). Em julho, era visível que a meta não seria atingida. Por isso, ela foi revisada para baixo, passou a R$8,747 bilhões – 0,15% do PIB.Em outubro, sem atingir segunda meta – que ainda não foi aprovada pelo Congresso Nacional, conforme exigem as Leis de Responsabilidade Fiscal e Diretrizes Orçamentárias – o Ministério do Planejamento está propondo a terceira meta para fechar o ano. Dessa vez será com um déficit, que pode chegar aos 90 bilhões de reais. Além disso, está em discussão a meta de superávit primário para 2016 que, em função das várias variáveis que a cercam, pode ficar muito aquém dos 0,7% do PIB atualmente previstos.

Onde vão parar as metas? O superávit primário é mais um exemplo de indicador com sucessivas metas não atingidas. Outro exemplo de meta fracassada é a da inflação anual, com seu “centro da meta” em 4,5%. Essa incapacidade de atingir os indicadores cria ambiente propício para a criação de heresias em relação ao sistema de gestão de negócios. A Presidente da República solicitou opções para a criação de uma meta flexível, casuísmo que finalmente tornará a meta atingível em função da mudança dos números conforme os choques conjunturais. É como se, num jogo de futebol, um pênalti fosse batido com o gol vazio, dependendo apenas do jogador chutar a bola com alguma direção para marcar.

Na prática, isso significa se isentar da gestão de riscos ao mesmo tempo em que são revogados conhecimentos científicos que fundamentam e conceituam uma meta como sendo um objetivo que possui valor e prazo para ser atingido. Meta flexível, nem eufemismos como “centro da meta”, “limite inferior” e “limite superior”. O objetivo a ser atingido é o alvo que faz movimentar todo um plano de ação. Não existe sub alvo. Para quem, como eu, acredita na essencialidade do conhecimento gerencial e que a gestão é o que todos precisam para resolver problemas de qualquer natureza, fica a certeza de que a catequese tem que continuar. Não existe substituto para o conhecimento, que deve ser continuamente buscado e aplicado com a disciplina e constância de propósitos que os sistemas e seus métodos exigem. Esse é o caminho para quem quer ter uma credibilidade sustentável”.