Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Insegurança

Insegurança

06/05/2013 às 02:13

 

De cada mil pessoas que circulam pela Avenida Afonso Pena, a qualquer hora do dia ou da noite, 700 estão com medo de que algo grave lhes aconteça. Essa é apenas uma, das muitas notícias ruins que nos traz uma pesquisa do instituto CP2, encomendada pela Associação dos Delegados da Polícia Civil de Minas. Nos dias 3e 4 do mês passado, 460 pessoas foram ouvidas em Belo Horizonte, para analise da satisfação da população com a segurança pública na capital. De pronto, 62,6% dos ouvidos mostraram-se insatisfeitos com o trabalho dos órgãos federais no combate ao crime.

Com relação às polícias Civil e Militar de Minas, o resultado é pior: 73,5% desaprovam o trabalho. Quando perguntados de forma segmentada sobre os crimes, os belo-horizontinos deram respostas ainda mais desalentadas. Por exemplo: quase 90 por cento dos moradores da área mais central desaprovam as apurações de crimes de homicídio e latrocínio (quando se mata para roubar). Quando indagadas sobre a satisfação na apuração dos crimes que as envolvem, mais de 80 por cento das mulheres acham que o trabalho está ruim e, detalhe, quanto mais idosas mais desapontadas com a polícia.

Estão nas regiões Noroeste e Norte os mineiros da capital que têm mais medo de andar pelas ruas, sendo que esse índice de insegurança passa de 90 por cento. O medo está presente em todos os horários, mas, claro, é maior à noite, sendo que a partir de 22 horas mais de 85 por cento das mulheres têm medo de ir às ruas.

A pesquisa também quis saber sobre como os policiais devem se deslocar e o dado interessante é que 40 por cento sugerem o trabalho a pé. Na área central, mais da metade dos ouvidos acha que esse trabalho renderia mais a pé ou de bicicleta. As pessoas pedem também leis mais rigorosas (|61,5%), mais policiais nas ruas (50,7%), melhores salários para os agentes (45,9) e conscientização da sociedade da importância da política na resolução dos problemas, inclusive segurança pública (36,1%).

Resumindo: a avaliação em todos os quesitos é negativa, sendo que em alguns grupos de cidadãos aumenta a desaprovação de aspectos da segurança pública. Entre os que têm renda mais elevada, a maior queixa refere-se à apuração de furto de veículos enquanto, na região central, nas vilas e favelas, a perturbação da paz e do sossego é o que incomoda mais. São números, que desmontam discursos tranqüilizadores e a velha cantilena de que “a situação está sob controle”.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Presidente da República admitiu impasses para seu projeto de reeleição em outubro

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Homem acreditou que a sensação de ouvido entupido era por causa do acúmulo de água

    Acessar Link