Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Falta do que fazer

Minha gente, o que é isso? A representação da ONG Insod (Instituto de Inovação Social e Diversidade Cultural) enviada ao MP questiona a escolha de nomes de origem africana para o gorila.

17/12/2014 às 10:47

Amigos, francamente, acho que não vou aguentar! Marquei praia com a família uma semana em janeiro, pescaria com amigos uma semana em fevereiro, mas, diante dos últimos acontecimentos, estou tentando ir ao Espirito Santo - de preferência de trem – neste finalzinho de ano, só para sentir a brisa do mar e me acalmar. É que a cada dia as notícias me deixam mais sem paciência e esperança no futuro. Não quero ser pessimista chato; no entanto, eles não cooperam: nas últimas 48 horas ouvi que vão fazer vasectomia e laqueadura nas capivaras, que Márcio Lacerda e Pimentel entraram em rota de colisão na eleição da Câmara Municipal de Belo Horizonte (o que pode prejudicar a capital no futuro), mas, o que doeu mesmo foi a notícia de que uma organização não governamental pediu e a promotoria de Defesa dos Direitos Humanos do Ministério Público recomendou à Prefeitura interromper o processo de escolha do nome do segundo gorilinha nascido no nosso Zoológico. A alegação: as opções em disputa, de origem africana, podem configurar racismo.

Minha gente, o que é isso? A representação da ONG Insod (Instituto de Inovação Social e Diversidade Cultural) enviada ao MP questiona a escolha de nomes de origem africana para o gorila. "Inaceitável a postura da Fundação, no sentido de vincular um ícone histórico de racismo – o macaco – a nomes de origem africana, com o intuito, segundo a Fundação, de fazer homenagem à origem africana do animal, sem levar em consideração a magnitude dos danos aos grupos étnicos-raciais diretamente atingidos". Aí, na última sexta-feira, as promotoras de Justiça Nívia Mônica da Silva e Cláudia Amaral Xavier enviaram recomendação à Fundação Zoo-Botânica, que administra o zoológico, para cancelar a votação ou substituir os nomes. 

Segundo o documento, “muito embora bem intencionada, a votação pode atuar em sentido contrário ao pretendido: ao invés de prestar uma homenagem ao continente africano, contribuirá, por certo, para a perpetuação de uma opressão sistêmica e estrutural ao povo negro”.
Li a notícia e me belisquei. Será que estou sonhando? Ou viajando na maionese? Abri o Google, fui à Wikipédia para ver a origem do gorila. E lá encontrei:

“Os gorilas são mamíferos primatas pertencentes ao género Gorilla, endémicos das florestas tropicais do centro da África”.

Os nomes em votação são Ayo, que tem como significado “felicidade”, Bakari, que significa “o que terá sucesso”, e Jahari, que é “jovem forte e poderoso”. A ideia da prefeitura era batizar o segundo gorila com um nome africano para homenagear a origem do gorila. O primeiro filhote recebeu o nome de Sawidi, que em Tupi-Guarani quer dizer "é amado, querido, desejado.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Especialista aponta que vistorias e análises em áreas turísticas podem mostrar processos de desgaste natural dos terrenos

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O prêmio de R$ 1,5 milhão não é reajustado há 12 anos pelo programa

    Acessar Link