Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Escola de democracia

A iniciativa envolverá, inicialmente, cerca de 10 mil alunos de 6 a 14 anos de 16 escolas da rede municipal, das nove regiões da cidade, e contará com investimento...

27/10/2014 às 01:58

Além da eleição, a boa nova da democracia em nossa cidade é o orçamento participativo para crianças e adolescentes. Estudantes da rede municipal de ensino poderão decidir como parte dos recursos públicos será empregada pela Prefeitura para incentivar o exercício da democracia participativa entre os alunos. A iniciativa envolverá, inicialmente, cerca de 10 mil alunos de 6 a 14 anos de 16 escolas da rede municipal, das nove regiões da cidade, e contará com investimento público de R$ 320 mil. Esse recurso será dividido igualmente entre as escolas participantes, cabendo R$ 20 mil a cada uma. A partir desse projeto piloto, a Prefeitura irá estender a iniciativa a toda a Rede Municipal de Educação nos próximos anos.

Nada acontece por acaso. O fato de o prefeito ter colocado à frente da Secretaria de Educação a professora Sueli Baliza já inaugurou um novo tempo de discussão sem paixão com sindicalistas, conversa franca com professores e rumo para o trabalho porque ela é do ramo. É o que digo: se tem algo que todo governante deveria ser obrigado a fazer é distribuir os cargos conforme a qualificação do ocupante e nunca conforme o “QI” que tanto pode ser quociente de inteligência como “quem indicou”. Além do mais, o prefeito, que já sofreu no corpo e na alma os tempos difíceis da ditadura, sabe que a democracia é uma criança engatinhando no Brasil ou uma plantinha que precisa ser regada permanentemente. Então, nada mais interessante que começar pela raiz, pelas crianças. Disse ele no lançamento do programa: “Aprendemos desde pequenos a competir e a cooperar. A vivência humana é isso. Juntamo-nos em grupos como as famílias, nos quais o tempo todo fazemos escolhas e definimos prioridades. O aprendizado que os alunos terão será útil, principalmente, para a vida como cidadão. É uma oportunidade deles treinarem a democracia, exercerem a cidadania e respeitarem a diversidade e as diferenças entre as pessoas”.

O processo é semelhante ao do Orçamento Participativo Regional. Nesta primeira etapa, os estudantes selecionam as demandas que consideram prioritárias para suas escolas e duplas de delegados – formadas por um menino e uma menina – serão responsáveis por defender o atendimento dessas demandas e preencher os formulários. Cada escola poderá definir sua própria dinâmica no processo de seleção e análise das demandas, garantindo que as solicitações estejam de acordo com as regras do projeto. Os alunos que queiram se candidatar a membro da Comissão de Acompanhamento e Fiscalização da Execução do Orçamento Participativo (Comforça) Escolar, devem se organizar para garantir os votos dos colegas. A comissão vai acompanhar a execução das ações aprovadas. Até o final do ano as prioridades serão definidas.

Queira Deus que a iniciativa seja bem sucedida e que mais e mais possamos estimular nas crianças o interesse pela participação, o respeito às opiniões contrárias e a capacidade de encarar a diversidade com amor e não ódio, como aconteceu nos últimos dias no país por conta da polarização entre Dilma e Aécio.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Na noite de sexta-feira o trânsito teve que ficar fechado por horas #itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Temperatura máxima pode chegar aos 28ºC #itatiaia

    Acessar Link