Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Entre a lama e a enxurrada

Há relação entre o rompimento da barragem em Mariana e o susto provocado pelas chuvas de duas horas na quarta-feira em Belo Horizonte? Absoluta.

20/11/2015 às 10:55

Há relação entre o rompimento da barragem em Mariana e o susto provocado pelas chuvas de duas horas na quarta-feira em Belo Horizonte? Absoluta. Se você quiser pode incluir aí outra denúncia da semana – a de que o trem metropolitano pode parar a qualquer momento por falta de manutenção. Ou dar ouvidos a parentes que se desesperaram com a falta de energia no Instituto Médico Legal, atrasando necropsias e exames urgentes. Estes, e muitos outros fatos do nosso cotidiano revelam a pouca importância que se dá ao cidadão, ao pagador de impostos, e, por extensão, à vida.

A barragem rompeu porque não prevenimos. É só pensar que termos 750 e, segundo o órgão estadual que “controla”, 35 estão sem qualquer segurança comprovada e auditada. Não adianta buscar meias palavras, desconversar: o financiamento de campanhas faz com que os donos do poder fiquem à mercê das mineradoras, fingindo que cumprem missões básicas de estabelecer critérios respeitosos na mineração, fiscalizar e exigir correções. Entidades como a poderosa Federação das Indústrias levam em conta apenas o interesse de seus associados, sem considerar que a sobrevivência deles em médio e longo prazo depende do meio ambiente. Jornalistas que se “especializam” em meio ambiente, com publicações, prêmios e outras ações tornam-se confeiteiros da mineração, encarregados de dourar a pílula ou cobrir de doce colorido o bolo de cocô que os donos do dinheiro produzem...

A enchente de quarta assustou porque qualquer chuva mais forte significa alto risco para uma cidade cuja topografia inclui morros nas laterais e 700 quilômetros de vales no centro... Ora, se a chuva cai na Serra e não é absorvida, vai correr até as vias que indevidamente construímos no lugar dos rios e ai... “Sai de baixo”!. Vamos esquecer o passado e aproveitar o Plano Diretor que está em discussão na Câmara Municipal. Vamos, em nome de Deus e de nossos netos, diminuir o asfaltamento e o concreto a todo custo, exigir que os imóveis tenham um pedaço de grama ou terra para a água entrar; tornar as calçadas permeáveis, com mais flores e menos cimento; dotar nossa avenidas de canaletas, capazes de levar a água até bocas de lobo nas quais não jogaremos lixo...

Mesma coisa é a Polícia Civil. No passado, faltou energia no Instituto de Criminalística e perdemos amostras de DNA que estavam na geladeira; agora falta luz no IML, mas, como fazer diferente se a Corporação continua sob administrações definidas pela política e não pela lógica da competência e do interesse geral? E tem o metrô... Quer dizer, nosso trem, essa vergonha, que a CBTU quer entregar, o governo de Minas não aceita, a prefeitura de Belo Horizonte não quer saber...

Mais e mais me encanto com os lemas de “causa e efeito” e “nada acontece por acaso”... Assim, reclamar de quê?

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Temperatura máxima pode chegar aos 28ºC #itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Antes da pandemia, cerca de 3.500 profissionais atuavam na área; agora, não é possível precisar o número #itatiaia

    Acessar Link