Ouça a rádio

Compartilhe

É aqui que eu amo..

Peço sua atenção para fatos que mostram avanços, políticas públicas corretas e razões para continuar brigando por nossa...

Este espaço tem sido preenchido, majoritariamente, com queixas contra a falta de maior carinho com os habitantes de Belo Horizonte. Para não ficar a impressão de que seja da torcida organizada “quanto pior, melhor”, peço sua atenção para fatos que mostram avanços, políticas públicas corretas e razões para continuar brigando por nossa BH.

Primeiro, é preciso dizer que as Nações Unidas elegeram-na a cidade com melhor índice de desenvolvimento humano entre metrópoles com mais de 2 milhões de habitantes, em julho do ano passado. Seis meses antes, foi apontada pela Fundação Getúlio Vargas a segunda melhor capital do Brasil para se viver, do ponto de vista do desenvolvimento social.

Também pela ONU, foi considerada este ano como a melhor na oferta de um ambiente adequado para crianças e adolescentes, em estudo que avaliou sete cidades da África, Ásia e América Latina.

O programa BH Cidadania já atende a 165 famílias em alta situação de vulnerabilidade; a população de rua tem alimentação gratuita, atendimento no “consultório de rua” e abordagem para reinserção social; mais de 5 mil idosos são atendidos no programa “Vida Ativa”; o programa “Academia a céu aberto” já está em 250 locais; o programa “Segundo Tempo” está em 172 escolas e 247 núcleos; o programa “Melhor emprego” ofertou mais de 160 mil vagas em cursos de qualificação nos últimos quatro anos; a PBH distribui mais de 75 milhões de refeições por ano em restaurantes populares, escolas, creches e instituições conveniadas; há um programa de 233 hortas e pomares comunitários; a Defesa Civil foi premiada pela ONU porque houve redução de áreas de risco de 10.650 para 2.671e nenhuma morte em razão de desabamentos e deslizamentos em áreas de risco em áreas de risco desde 2003; Belo Horizonte é a quarta capital entre as que têm o melhor índice de desenvolvimento da educação básica; a cidade já tem 90 e, ao final do ano, serão 153 unidades municipais de educação infantil; o programa escola integrada já chegou às 172 escolas da rede municipal de ensino; o programa escola aberta abre as portas para 175 mil pessoas nos fins de semana, para atividades de esporte, lazer, cultura e qualificação profissional; apesar dos pesares, o Ministério da Saúde que a nossa tem o melhor atendimento do SUS entre as grandes capitais brasileiras; o Vila Viva e outros programas mudaram o cenário nos aglomerados e já entregou mais de 20 mil moradias e, acredite, Belo Horizonte conta com 18 metros quadrados de área verde por habitante, superior ao definido pela ONU que são 12 metros quadrados.; está em curso a despoluição da Pampulha e,se o assunto é saneamento básico, só ficamos atrás de Curitiba.

Portanto, que venham as ciclovias, um metrô de verdade, vamos continuar exigindo transporte público de qualidade, incentivando a cultura e cobrando dias melhores. Sem, no entanto, perder o encanto por nossa Belô. Ah, e sem perder a capacidade de questionar, como farei na segunda-feira, sobre a instalação de uma banca em circunstâncias autoritárias.