Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Do arco da velha

Do arco da velha

06/05/2013 às 02:13

Quanto mais o tempo passa e as novidades são reveladas, mais intrigante fica essa história que envolve quadrilha acusada de degolar duas pessoas em Belo Horizonte. Agora, descobrimos que um dos PM s citados estava denunciado por extorsão desde 2007, mas continuava na ativa. As últimas horas foram de intensa movimentação no meio político. Primeiro, a Comissão de Segurança Pública da Assembléia Legislativa resolveu entrar no caso, ouvindo os delegados responsáveis pela apuração. No meio do caminho, seus integrantes foram surpreendidos com declarações atribuídas ao presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da mesma casa, Durval Ângelo, de que haveria envolvimento de oficiais nos assassinatos. Então, o corregedor-geral da PM, coronel Cesar Romero, foi chamado para depor. Repetiu o que o comandante-geral da Corporação dissera na véspera: não há indícios de mais PM´s envolvidos, mas, haja o que houver e doa em que doer, como disse Romero, “bandido não ficará nos quadros da PM”. Mesmo diante de uma nota de Durval Ângelo negando as tais denúncias, o deputado sargento Rodrigues mostrou-se indignado e prometeu pedir providências à presidência da Assembléia contra o parlamentar, “que gosta de chamar policial de bandido sem qualquer prova quando deveria ser o primeiro a respeitar os direitos humanos”. De seu lado, o deputado João Leite prometeu chamar o Tribunal de Justiça Militar para que seus juízes expliquem porque um cabo acusado de extorsão há três anos continuava na ativa até o momento em que foi flagrado na quadrilha que degolava cabeças. É notícia ruim que num acaba mais... Ou, como dizia minha saudosa mãe, “é coisa do arco da veia”!

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Jogador de 20 anos tem multa avaliada em R$ 7 milhões para clubes brasileiros

    Acessar Link