Ouça a rádio

Compartilhe

Diferença entre motociclista e motoqueiro

Diferença entre motociclista e motoqueiro

O delegado Anderson França, do Departamento Estadual de Trânsito, informa que o órgão aguarda apenas alguns ajustes por parte do governo federal para alterar o processo de habilitação para condutores de motos em Minas Gerais. A promessa não é nova e tomara que seja cumprida para, quem sabe, diminuir a matança no asfalto em nosso Estado. Não é de hoje que o aumento espantoso do número de motocicletas nas ruas de todo o país, coincidindo com um tempo de pouca gentileza e trânsito permanentemente congestionado, criou um clima de guerra entre os que dirigem veículos de quatro e os de duas rodas. O resultado pode ser visto todos os dias em ruas de pouco, médio e muito movimento e nas vias rodoviárias de todo o país: toda hora tem um corpo estendido, morto ou com sequelas graves; os hospitais estão com seus ambulatórios de ortopedia cada vez mais cheios e o Brasil contabiliza prejuízos econômicos consideráveis. Por que os acidentes são cada vez mais freqüentes e graves? Algumas pistas estão à vista. Uma delas é o fato de que o cidadão, para se tornar habilitado, precisa apenas comparecer a uma quadra de cimento e superar alguns cones colocados ao lado de um trajeto em que não há qualquer obstáculo, real ou imaginário. Então, a primeira providência é mudar o jeito de avaliar, exigir desempenho do candidato em meio a tráfego real e diante de ambiente que vai encontrar no dia-a-dia. É preciso também disciplinar, regulamentar a profissão para se separar quem é motociclista – que conduz por prazer ou necessidade, respeitando as leis de trânsito e preocupado com a própria segurança – dos motoqueiros, malucos que dirigem como se estivessem em vídeos-game, ou seja, imortais.