Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Cadeirinha nelas!

Cadeirinha nelas!

06/05/2013 às 02:13

Sabe por que essa exigência das autoridades de se colocar as crianças em cadeirinhas vai pegar? Não é porque a multa é de 190 reais ou os infratores vão perder 7 pontos na carteira. E nem é fruto da competência de quem decidiu exigir. Simplesmente, vai acontecer de novo o óbvio: quando uma exigência legal combina com o bom senso, passa para as pessoas a sensação de que é uma exigência coerente, elas logo aderem. Foi assim com o cinto de segurança, mais recentemente com a lei que proíbe fumo em locais fechados e será sempre assim. É bom lembrar que os mesmos senhores que tomaram essa atitude, em dois órgãos de trânsito de Brasília (DENATRAN E CONTRAN) são aqueles que no passado nos ofereceram pérolas: obrigaram-nos a comprar um selo para por nos pára-brisas, nos empurraram goela abaixo aquele tal kit de primeiros socorros, tentaram emplacar uma vistoria suspeita nos carros e, mais recentemente, queriam que Minas Gerais jogasse seus selos de placas no lixo para comprar outros, infinitamente mais caros. Ou seja, eles adoram uma atitude esdrúxula e boa só para quem vai vender o que querem nos impor. Agora, cobrar dos pais que usem berço com cinto, cadeirinha, cadeirinha com elevação e cinto nas crianças, de acordo com a idade e o peso, está absolutamente correto. É só dar uma olhada nos testes para ver o estrago que uma colisão faz na criança se não estiver protegida. E as estatísticas provam que a maioria dos acidentes acontece perto da casa das pessoas, quando vão a uma farmácia, padaria, enfim, porque vão “só ali” não protegem os filhos. Então, vamos proteger nossos pimpolhos e evitar problemas com a lei. Cadeirinha já!

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Especialista aponta que vistorias e análises em áreas turísticas podem mostrar processos de desgaste natural dos terrenos

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O prêmio de R$ 1,5 milhão não é reajustado há 12 anos pelo programa

    Acessar Link