Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Água e óleo não se misturam

Água e óleo não se misturam

06/05/2013 às 02:13

Os últimos dias foram marcados por noticias de crise na cúpula da Defesa Social, que teriam resultado, entre outras coisas, na substituição do comandante-geral da Polícia Militar. É um equívoco. Há três meses o coronel Renato Vieira disse ao governador que estaria completando 30 anos de farda em fevereiro e gostaria de ir para a reserva por uma serie de fatores, a começar pelo fato de que já ficou oito anos no comando do policiamento da capital, oito meses na chefia do Estado Maior e os últimos três anos no comando-geral. Essa é a hora.

Nâo há crise na PM que conta hoje com uma tropa cuja progressão profissional está assegurada: soldado tem de ter terceiro grau e começa com R$ 2.320,00; já estão aprovados em lei reajustes que elevarão o salário mínimo para R$ 4.500,00 em três anos e candidato a oficial só entra no disputadíssimo vestibular da Academia se for bacharel em Direito. Quanto as saídas de Lafaiete Andrada e Genilson Zeferino estão mais ou menos explicadas por muitos motivos, mas, especialmente, porque eles não se falam. Então, como e quem vão comandar?

Há uma outra falta grave pela qual o governador ficou muito decepcionado com Zeferino. E, além disso, há a bendita integração com a Polícia Civil. Essa é a missão quase impossível que só continuou esperança no governo Aécio Neves porque, no momento mais crítico, ele colocou na cadeira de secretário o próprio Anastasia, à época vice governador. Se Anastasia preservar o sonho deve colocar lá alguém que use a caneta dele, governador. Simplesmente porque alguns pecados humanos cercam as duas corporações: vaidades, ciúmes, apreço pelo poder.

Então, nesses tempos cheios de “especialistas” em segurança, se quiserem um palpite do velho repórter façam logo a fusão... É. Acabem com uma delas de forma que seus recursos humanos e materiais sejam absorvidos pela outra... É isso ou a gente vai continuar fingindo amizade. E quem fala isso é a mesma pessoa que dois, três anos atrás acreditava na irreversibilidade da integração. Esqueci-me de que tratávamos de humanos e aí não tem interesse público, cumprimento do dever ou sentido de sociedade que supere esse desejo incontido que a gente tem de ser mais forte, mais bonito, mais rico, mais famoso e mais respeitado. Sobretudo quando se tem carteira de autoridade e direito de andar armado.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    O prêmio de R$ 1,5 milhão não é reajustado há 12 anos pelo programa

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Operações foram interrompidas devido às fortes chuvas que atingiram o Estado nas últimas semanas

    Acessar Link