Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

A vida como ela é

A vida como ela é

06/05/2013 às 02:13

Por uma característica – a de que cada indivíduo representa um papel e o que conta é o todo – é que muitos comparam o júri a uma peça teatral. A nossa própria vida em comunidade, para alguns, é uma constante representação. Para os observadores mais atentos, sobretudo os que têm acesso ao ambiente, o julgamento de Bruno é a espantosa e definitiva confirmação dessas duas máximas. Bruno, mais bobo que mau, achava que podia tudo. As más companhias prometiam resolver tudo, com o poder e o dinheiro do moço que amigo rico que vivia no glamour do futebol. Aconteceu o pior. Bruno continuou achando que se livraria da encrenca, com advogados de banca renomada ou não. O tempo passou e as coisas só pioraram. Até o fiel escudeiro Macarrão cuidou de tirar o dele da reta e incriminar Bruno. Esta semana, já convencido de que perdeu, o outrora altivo e até arrogante goleiro, agora chora e põe a mão na bíblia... Sua defesa prepara uma confissão meia boca, isto é, ele deve dizer durante o dia de hoje que errou ao não acompanhar as ações de “amigos”, admitir que Elisa morreu, negar que tenha mandado executá-la e pedir compreensão aos jurados.  Na verdade, os jurados só dirão sim ou não e já têm resposta. Bruno e seus advogados querem é a simpatia do promotor, a mão leve da juíza na hora da aplicação da pena. Bruno foi condenado pela mídia três anos atrás. De lá prá cá, algum policial vendeu o vídeo de conversas privadas dele no avião, outro ganhou a eleição para vereador; algumas dezenas de advogados de qualidade duvidosa apareceram exaustivamente na TV, encheram os escritórios de clientes e só o empurraram para o buraco. O que conta agora é o prazer de brasileiros cansados da impunidade assistirem a um ex-famoso saindo da cadeia para o tribunal, de roupa vermelha. A brincadeira é velha, mas eu adoro: neste caso, todo mundo quer aparecer, menos Elisa. E dá-lhe espetáculo: as emissoras de TV disputam entrevistados a tapa na luta por alguns pontinhos no IBOPE; vende-se de tudo na praça do Fórum, de água a picolé, de cinto de couro a Viagra natural, passando por xampu e emagrecedor. No boteco da esquina o prato do dia é macarrão e seu proprietário, feliz da vida com aumento das vendas, não perdoa: “Dizem que o Bruno tava com a bíblia de cabeça prá baixo...”

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Como a Itatiaia vem informando, foram mantidos os R$ 4,9 bilhões do Fundo Eleitoral e os R$ 16,5 bilhões de emendas do orçamento secreto para o parlamento

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Câmaras flagraram ação suspeita, e crime foi impedido por seguranças #itatiaia

    Acessar Link