Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

A perda da (outra) identidade

Sempre achei que reportar é contar história. Assim, não basta seguir os passos teóricos ensinados na Faculdade, respondendo as perguntas...

23/11/2015 às 03:15

Sempre achei que reportar é contar história. Assim, não basta seguir os passos teóricos ensinados na Faculdade, respondendo as perguntas “que, quem, onde, como e por que” para o bom começo (lead), no caso do jornal impresso, ou a boa notícia, para meios de mensagem rápida como o rádio. O que enriquece a matéria é a construção de um enredo dos fatos entre detalhes do ambiente, da vida dos envolvidos, dos valores que cercam os personagens, etc. Depois que fui trabalhar na TV me dei conta de como é bom valorizar o detalhe, tanto que é comum, depois da apresentação de uma reportagem, dar mais ênfase a um cão vira-latas ou a um quadro na parede do que propriamente a reportagem.

Nesse festival de informações que assola a tragédia de Mariana, três coisas me impressionam. A primeira realça nossa cultura de colônia e ressalta a síndrome de Estocolmo (quando a vítima nutre certo respeito e até admiração pelo opressor): todo mundo que já falou até agora em Mariana diz que a maior preocupação é não perder a Samarco. Mais de três séculos depois de nascer, sob a exploração da coroa portuguesa, a cidade precisa continuar refém de estrangeiros (uma das sócias da Samarco é anglo-australiana) em troca de empregos e receita. Vítima da tragédia brasileira de maus políticos (sete prefeitos em cinco anos), a primeira capital de Minas não foi capaz de construir uma alternativa e agora, no meio do caos, continua de joelhos diante da mineração.

O segundo grande incômodo nestes dias que sucederam à derrama de “Fundão” é essa cena de repórteres de TV dentro do ginásio, diante daquele mundo de roupas, sapatos e outros objetos, muitos imprestáveis, e essa onda de se pedir contribuições. A solidariedade é sempre bem-vinda, mas, em episódios como este, nos quais está clara a responsabilidade, não há por que pedir doações... É entregar a fatura e cobrar.

Por fim, mais uma chateação no meu coração é quando os repórteres dizem que os 600 moradores de Bento Rodrigues perderam tudo: móveis, dinheiro, documentos... É muito pior: perderam os animais de estimação, a rede, o tapete preferido, o terreiro de décadas, o chiqueiro do avô e o curral do papai; perderam a identidade mais importante – a cultural, aquela que nos dá sentido de povo, que está presente nas nossas discussões sobre lugar, gênero, raça, história, nacionalidade, idioma, orientação sexual, crença religiosa e etnia. Não há espaço para discorrer em detalhes sobre a identidade cultural, mas, quem clicar no “Google” e buscar Milton Santos ou Stuart Hall vai entender melhor. E chorar. 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Covid-19: 85% dos internados em Belo Horizonte não se vacinaram, diz Kalil. #Itatiaia https://www.itatiaia.com.br/noticia/covid-19-85-dos-internados-em-belo-horizonte-nao-se...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    A declaração foi feita após o anúncio de que a volta às aulas para as crianças de 5 a 11 anos será adiada para o dia 14 de fevereiro em Belo Horizonte

    Acessar Link