Ouça a rádio

Compartilhe

A luta é contra as drogas!

Por tudo o que já li a respeito, tenho comigo que as leis surgiram para regular a vida dos homens em sociedade.

Por tudo o que já li a respeito, tenho comigo que as leis surgiram para regular a vida dos homens em sociedade. Assim, quando alguém urinou pela primeira vez em praça pública (ou na ágora da Grécia Antiga), outros se sentiram desrespeitados e resolveram estabelecer cuidados que devessem ser tomados no atendimento das necessidades fisiológicas. Por isso mesmo, o Direito é a garantia de boas relações entre as pessoas durante um tempo e num espaço.

Também concordo com a sabedoria popular de que fazer um cômodo hoje, um puxadinho amanhã e uma gambiarra mais adiante vai custar caro, não trará conforto e será mais complicado que construir a casa por inteiro... Ainda que, não podendo fazê-la toda de uma só vez, tenhamos um projeto que será executado por partes. Partes de um todo, fique bem claro!

O que quero dizer é simples: enquanto a gente não juntar o nosso saber jurídico, organizado por pessoas qualificadas, burilado por um grande debate nacional e elaborar um novo Código Penal não teremos rumo para combater a violência que só faz aumentar. Alguém pode dizer que temos leis e novas diretrizes que minimizam os estragos, mas, não resolve a questão de forma mais global, dentro dos princípios de novos tempos.

Como compreender que se assaltam um ciclista e levam sua bicicleta a queixa é registrada como assalto à pessoa? Podia até ser assim em 1890, quando fizemos um Código Penal, ou, em 1941, quando tivemos o último Código de Processo Penal. Hoje, não! Existem bikes custando até 40 mil reais, que atraem os olhares alheios. Outra coisa impressionante é a nova discussão sobre armas brancas. Não há dispositivo legal dizendo que portar faca ou punhal é crime e, se movidos por um clamor nacional de momento, inventarmos de radicalizar, vai ter blitz na beira da estrada de terra para tomar o canivete do agricultor...

O que está matando não é a faca, que sempre existiu, mas, o desespero do usuário que precisa de uma pedra de crack a qualquer custo! Os que têm revolver assaltam com ele; os que não têm, usam réplicas... Como, em algumas cidades, as armas de brinquedo também são proibidas, passaram a cortar pescoços com facas enferrujadas... Se a gente ficar discutindo isso, vão nos matar com pedradas...