Edu Panzi

Coluna do Edu Panzi

Veja todas as colunas

Até quando, Cruzeiro?

07/06/2021 às 10:14

O Cruzeiro começou a Série B 2021 da mesma maneira que iniciou a de 2020, com menos seis pontos. A diferença é que na temporada anterior a pontuação foi perdida fora de campo, com a punição da FIFA. Neste ano os pontos foram deixados em campo, com atuações ruins, com derrotas para equipes limitadas e que dificilmente brigarão pelo acesso. O início celeste na competição deste ano é muito pior do que o de 2020 e sim, preocupa.

Nos jogos contra Confiança e CRB foram impressionantes sete gols sofridos, deixando o Cruzeiro na lanterna e com a pior defesa da competição. Ano passado o setor menos questionado da equipe era a zaga, que sofria poucos gols e as críticas mais pesadas eram direcionadas ao ataque, que dependia muito das bolas paradas e de zagueiros e volantes para balançar as redes adversárias. Hoje o sistema defensivo não funciona e o ataque segue dependente de escanteios e faltas para marcar. Dos quatro gols anotados pelo time de Felipe Conceição no Brasileiro, três foram oriundos de cobranças de escanteio. Resumindo, o que era bom piorou e o que era ruim continua ruim. 

Problemas terceirizados

Nas entrevistas coletivas, o treinador cruzeirense tem dito repetidamente que há evolução, que a equipe tem jogado bem e não consegue enxergar defeitos coletivos ou merecimento nos êxitos adversários. As justificativas para os maus resultados sempre partem para erros da arbitragem e após a derrota para o CRB, também para erros individuais de seus atletas. Terceirizar os defeitos e os problemas do time não é o melhor caminho a ser seguido. Erros só começam a ser corrigidos a partir do momento em que são detectados, que aceitamos e enxergamos que eles existem. Do contrário eles seguirão acontecendo e o pior, aumentando.

Reclamar da arbitragem é um direito de qualquer clube, treinador, jogador e uma cultura (ainda que chata) do futebol brasileiro. O problema começa quando a arbitragem vira pauta de todas as entrevistas pós-jogo e justificativa para todos e quaisquer resultados negativos e/ou maus desempenhos, ainda que eles sejam recorrentes. 

Passou da hora das pessoas dentro do Cruzeiro assumirem seus BO’s, seus erros e problemas. É urgente que um diretor de futebol sossegue no cargo e o já criticado Pastana, recém-anunciado, é o escolhido da vez. É urgente que Felipe Conceição enxergue que as derrotas e o futebol mal jogado vão além dos erros do juiz. Que erros individuais podem ser consequências de equívocos coletivos. É urgente que nós, formadores de opinião e boa parte da torcida, saibamos diferenciar, de uma vez por todas, o “Cruzeiro clube” do “Cruzeiro time/elenco”; o “Cruzeiro do passado, inclusive o recente”, do “Cruzeiro do presente”. Enquanto time e elenco, o Cruzeiro que estamos vendo é apenas mais um na Série B. A cegueira de gestores, comissão técnica e a terceirização dos problemas estão matando o clube aos poucos, com muito sofrimento e com requintes de crueldade.

Eu poderia encerrar o texto por aqui, com um ponto final, mas vou acrescentar mais um parágrafo, repleto de perguntas que precisam ser respondidas.

Até que ponto o elenco mais caro da Série B também pode ser considerado o melhor entre os 20 clubes participantes? Até quando vamos seguir achando que a “culpa” é somente do treinador (o 5º em 18 meses)? Até quando vamos continuar achando que os “jogadores do Cruzeiro seriam titulares em qualquer time da segunda divisão”? Até quando vamos dizer que o Cruzeiro precisa de um “camisa 10”, sendo que ao menos cinco já passaram por lá nos últimos meses? Até quando a culpa vai ser da arbitragem? Até quando as trocas de diretores de futebol e de técnicos serão solução? Até quando o passado (inclusive o recente) vai encobrir o presente? Até quando o Cruzeiro vai entrar em campo somente com o nome e a grandeza? Até quando perguntas como estas ficarão sem respostas?

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    São ainda 91.917 casos em acompanhamento e 1.596.917 pessoas conseguiram vencer a doença #itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Keké viria emprestado pelo Tombense até o final do Campeonato Brasileiro da Série B #itatiaia

    Acessar Link