Edilene Lopes

Coluna da Edilene Lopes

Veja todas as colunas

Vacinação de secretário provoca pedido de CPI na Assembleia de MG

10/03/2021 às 04:35

O episódio envolvendo a vacinação de servidores administrativos da Secretaria Estadual de Saúde de Minas, inclusive do secretário, Carlos Eduardo Amaral, tencionou a relação entre o Executivo e o Legislativo, que pretende ir a fundo no papel constitucional de fiscalizar.

Com isso veio à tona, novamente, a proposta de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para averiguar o calendário de imunização no estado.

O deputado estadual Ulisses Gomes (PT) apresentou requerimento pedindo a instalação de uma CPI para apurar a operacionalização em Minas da campanha nacional de vacinação e o desvio de doses para grupos não prioritários.

Ainda devem ser objeto de investigação o baixo investimento em ampliação dos leitos e o não investimento do mínimo constitucional em saúde, segundo o parlamentar.

Para instalar a CPI são necessárias 26 assinaturas. Já foram coletadas 18.

Cinco horas de reunião

Durou mais de quatro horas a reunião extraordinária no plenário da Assembleia Legislativa (ALMG) para a prestação de contas do secretário estadual de saúde. A Casa convocou uma entrevista coletiva para falar das providências da ALMG diante das cobranças dos deputados e das satisfações dadas por Carlos Eduardo Amaral.

Outro lado 

Na Secretaria Estadual de Saúde, a avaliação de muitos integrantes é que os críticos estão pegando pesado em relação à vacinação da equipe da secretaria. Alguns servidores disseram à coluna que os secretários e a equipe correm riscos que muitos nem imaginam, visitando hospitais para fazer diagnóstico da situação e entregando insumos e equipamentos para o combate à pandemia, como respiradores e seringas.

Toda vez que viaja para as entregas o secretário vai acompanhado de parte da equipe técnica e também da equipe de comunicação.

Rolando Lero 

O presidente da Comissão de Saúde da ALMG, João Vítor Xavier (Cidadania), disse que o secretário, ao não dar respostas, parece o personagem Rolando Lero, da Escolinha do Professor Raimundo, que sempre enrolava para responder o mestre.

Trem da alegria e improbidade

O presidente da Assembleia, Agostinho Patrus (PV), subiu o tom como raras vezes. Ele chamou a vacinação do secretário e de servidores administrativos de "Trem da Alegria", disse que se trata de um "escândalo nacional" e acrescentou que, ser for necessário, a Casa pedirá que Amaral responda por improbidade administrativa e que um por um dos "500 furadores de fila" serão cobrados.

O secretário cai?

A pergunta que não quer calar é se o secretário cairá. O Governo de Minas ainda não se posicionou oficialmente sobre o assunto, mas, de acordo com o que circula nos bastidores, tudo pode acontecer.

A decisão dependerá do impacto e do desgaste político que o episódio vai gerar. Isso porque a decisão de gestão sobre vacinas é da pasta. Caso Amaral tenha decidido se vacinar e vacinar a própria equipe, talvez ele tenha que ficar com o ônus da ação antes que comece a respingar no governador.

Uma possível queda do secretário enfraquece o núcleo do partido Novo de Juiz de Fora no governo e afeta possíveis planos de candidatura do secretário em 2022.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    A declaração foi feita após o anúncio de que a volta às aulas para as crianças de 5 a 11 anos será adiada para o dia 14 de fevereiro em Belo Horizonte

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽ Times escalados na Arena Independência para Cruzeiro X URT, e o repórter Samuel Venâncio traz as informações. Confira! #JornadaEsportivaNaItatiaia

    Acessar Link