Ouça a rádio

Compartilhe

STF chama chefes dos poderes para reunião, mas não vai ser desta vez

Bolsonaro passa mal e dá entrada no Hospital das Forças Armadas

Os ânimos estão tão acirrados que é preciso o chefe de um dos poderes chamar os outros para conversa antes que a situação fique insustentável. Seria excelente se essas fossem conversas diplomáticas de rotina, mas não é o caso. A chamada do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, para a reunião com o presidente do senado, Rodrigo Pacheco (DEM), e da Câmara, Arthur Lira (PP), veio depois que o presidente da República chegou a dizer que as eleições de 2022 poderiam não ocorrer, caso o voto impresso não fosse implementado.

A reunião estava marcada para as 11h, mas acaba de ser cancelada porque Bolsonaro deu entrada no Hospital das Forças Armadas, com dores abdominais.

Cancelamento de eleição, impeachment e recontagem de votos

Como sabemos, a proposta do voto impresso enfrenta rejeição e não deve sair do papel. Diante da fala do presidente, muitos temem que ocorra um golpe com o cancelamento das eleições – o que a base de Bolsonaro descarta. O impeachment também está descartado. Conforme venho repetindo, a oposição deve tentar desgastar o presidente até 2022. E se o presidente perder 2022, certamente, vai pedir recontagem de votos e o Brasil pode viver um caos como o que ocorreu nos Estados Unidos com apoiadores invadindo a Casa Branca. 

Paralisia 

No entanto, no momento, o risco que corremos, e é gravíssimo, é de uma paralisia decisória total. Com a polarização acirrada, os parlamentares podem parar de colaborar com Bolsonaro e travar as pautas propostas por ele.  Por outro lado, Bolsonaro - ao invés de sancionar - pode começar a vetar todos os projetos importantes de deputados e senadores.

Aí o Brasil para até a eleição. Não tem reforma tributária, e nós continuamos a trabalhar quatro meses do ano só para pagar impostos. Não tem reforma administrativa, e o estado continua desatualizado e o serviço público muito burocrático - atrasando o desenvolvimento econômico e a vida de todo mundo. E mal-mal sai uma renda cidadã, que é o novo Bolsa Família. Nessa guerra de egos, ideologia, disputa por poder - quem perde é o povo.

Projeto da Vale será aprovado hoje

Muita gente duvidava, mas ontem o projeto de lei foi finalmente alterado. A transferência será direta e com destinação especifica. E nesta quarta-feira acaba mais um episódio dessa novela da guerra entre executivo e legislativo.

A votação deve ser 10h da manhã. Em agosto, quando a assembleia voltar do recesso parlamentar, aguardem cenas do próximo capítulo.

Instagram: @reporteredilenelopes
Twitter: @reporteredilene