Ouça a rádio

Compartilhe

Preocupado com aprovação de pautas prioritárias, Bolsonaro prefere Lira como interino

A possibilidade de o presidente da Câmara dos Deputados, Artur Lira (PP), assumir interinamente a presidência da República caso o presidente Jair Bolsonaro realmente tire licença do cargo para se tratar do problema no intestino é a mais provável e é também um gesto de afago a quem tem o poder de autorizar o andamento dos pedidos de impeachment contra o presidente.  De toda forma, o impeachment não deve sair porque os adversários querem é desgastar Bolsonaro até 2022.

Pautas

O que Bolsonaro mais precisa é da Câmara pra aprovar as pautas, inclusive o Renda Cidadã, que é o novo Bolsa Família e que se for aprovado e começar a valer no ano que vem mesmo  vai melhorar a imagem de Bolsonaro com parte do eleitorado, que tradicionalmente era do ex-presidente Lula.  Por esse motivo, agradar a Lira é fundamental.  Lira que foi o candidato de Bolsonaro à presidência da Câmara.

Nas mãos de Fux

O presidente já avisou a Lira que, se necessário, queria que ele assumisse até a volta de Mourão no domingo (18).  Eu falei em Brasília, e interlocutores de Bolsonaro me disseram também que esse é o desejo do presidente.  Mas não depende apenas de Bolsonaro, depende do presidente do STF, Luiz Fux, já que Lira é réu no STF, o que impede que ele assuma interinamente a presidência. Se Fux não liberar, o terceiro na linha sucessória é Rodrigo Pacheco, presidente do Senado. E o quarto é o próprio Luiz Fux. O prazo está terminando. Hoje é sexta. Mourão volta domingo. O vice voltando e Bolsonaro precisando, é ele que assume. 

Minha opinião é que se a relação do Executivo fosse melhor com os outros poderes, a chance de Fux liberar Lira podia ser maior e Bolsonaro não precisa temer que Pacheco ou Fux ocupassem temporariamente o cargo. Uma vez no cargo, quem ocupa, tem uma oportunidade, mesmo que por poucos dias, de repente sancionar o projeto que o presidente não sancionaria.

Polêmica do Buser

Aqui em Minas, depois de polêmica, Governo do Estado e Assembleia Legislativa entram em consenso sobre o decreto que favorece a Buser, aplicativo de transporte por ônibus fretado.  Ao invés de lista com 12 horas vai ser com duas horas (ainda prejudica a Buser). O circuito fechado está mantido, as empresas precisam ir e voltar com o mesmo grupo de passageiros (excursão). Não tem limite de idade para ônibus. Teria dado ruim para a Buser se o Tribunal de Justiça não tivesse dado liminar derrubando a suspensão do decreto. Com isso, o decreto de janeiro está valendo, então: 
- precisa de lista com antecedência;
- pode ir e voltar com circuito aberto, não precisa ser com os mesmos passageiros;
- e a idade dos ônibus está liberada. 

Bastidores

A expectativa da ALMG é que o decreto fosse publicado hoje, ontem fontes do governo disseram a Itatiaia que não dava tempo. A publicação deve levar uns cinco dias. No intervalo, teve a liminar que revalidou o decreto do governo e favoreceu a Buser.

O que está por trás

O que está por trás: de um lado tem o interesse das empresas por aplicativo e do outro lado o interesse das empresas que já atuavam no mercado. 

Opinião

As passagens há muitos anos são caras, o que até melhorou um pouco nos últimos anos, e ainda tem muita gente que não consegue nem fazer viagem intermunicipal. Aí fica pegando carona em ambulância de prefeitura, que é com dinheiro público, mesmo sem fazer tratamento médico. E mais, agora especificamente sobre essa não publicação do decreto: se o governo não publicar logo, vai dançar a relação com Assembleia. 

Instagram: @reporteredilenelopes
Twitter:@reporteredilene