Ouça a rádio

Compartilhe

Prefeito da capital participa da própria pauta à distância

Prefeito da capital participa da própria pauta à distância

O prefeito Alexandre Kalil (PSD) e o vice Fuad Noman (PSD) participaram à distância da própria posse. A cerimônia que deu posse aos dois e aos 41 vereadores foi na Câmara Municipal de Belo Horizonte e cada eleito pôde levar dois acompanhantes, mas o prefeito e o vice participaram virtualmente. Preocupado com aglomerações, Kalil tem evitado eventos com número maior de pessoas. Ele também não foi à diplomação, realizada no Grande teatro do Palácio das Artes, com capacidade para 1200 pessoas e na qual cada vereador pôde levar apenas um acompanhante.

A informação de que Kalil não iria à diplomação foi adiantada pela Itatiaia na coluna Em cima do fato, no dia seguinte, ele confirmou a informação em entrevista coletiva. 

Sem ódio, sem racismo e sem escândalo

Em seu discurso de posse, o prefeito Alexandre Kalil, do PSD, disse que Belo Horizonte é uma cidade plural e comemorou a forma como conduziu a cidade nos últimos quatro anos.  Sem racismo, sem ódio e sem escândalos, de acordo com ele.

Eleição da mesa diretora

Depois da solenidade de posse, está sendo eleita a mesa diretora da casa que é composta por seis integrantes: primeiro e segundo vice-presidentes, secretário geral, primeiro e segundo secretario e o presidente.  Nely Aquino (Podemos) que tem o apoio da maior parte dos pares concorre com Duda Salabert (PDT) a vereadora mais votada da história de Belo Horizonte com 37.613 votos. Alguns vereadores esperam que Nely tenha o voto de pelo menos 30 dos 41 colegas.

Câmara agora tem Blocos

Uma novidade. A Câmara Municipal de Belo Horizonte agora terá blocos, fruto de uma alteração recente no regimento da casa. Embora ainda não esteja definido, o tamanho da base de governo, da oposição e do bloco independente, a nova configuração deve facilitar o diálogo entre a prefeitura e a Câmara. A Assembleia Legislativa, por exemplo, te, os 77 deputados organizados em quatro blocos.

Novo será oposição? 

Apesar da rixa entre Romeu Zema e o prefeito Alexandre Kalil, a vereadora Marcela Trópia, que é da legenda do governador, partido que tem três parlamentares na câmara, que serão liderados por ela, afirmou que o Partido Novo não pode ser chamado de oposição ao prefeito Alexandre Kalil. 

Protesto 

A posse foi marcada por protesto na porta. Apoiadores de Júlio Fessô, que foi eleito pelo Partido Rede, com 3.037 votos, ele afirma que está sendo vitima de preconceito por ser egresso do sistema prisional, mas para a Justiça Eleitoral, ele ainda está inelegível por causa de uma condenação por tráfico de drogas em 2006. Como recebeu indulto em 2011, contando oito anos desta data, agora em 2020 ele já estaria elegível, segundo a defesa, e não se enquadraria mais na Lei da Ficha Limpa, mas para a Justiça Eleitoral, uma multa que ele recebeu, de R$ 800, não foi paga e prescreveu em 2013, alterando esse prazo, porque faz parte do cumprimento de obrigações da pena. 

As definições de palavras do dia a dia da política que citamos aqui você encontra no do ABC da Política, para consulta e compartilhamento no Instagram @reporteredilenelopes.