Edilene Lopes

Coluna da Edilene Lopes

Veja todas as colunas

Oposição e terceira via não querem impeachment; estratégia é desgastar Bolsonaro até 2022

12/07/2021 às 09:14

O impeachment, hoje, está fora de cogitação. Quando o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), fala que não sabe se a oposição quer mesmo o impedimento de Jair Bolsonaro o recado é claro.

A polarização é considerada até benéfica para Bolsonaro, que precisa ter um adversário para combater, mas é boa também para a oposição e para a terceira via. Retirar o presidente do poder geraria um caos neste momento no Brasil. No entanto, alimentando a polarização, a oposição sangra Bolsonaro; o centro - mesmo que timidamente - já se volta contra o presidente e, ele estando mais fraco em 2022, uma terceira via pode ser tornar perfeitamente possível. 

Combo do desgaste

Manter o ex-presidente Lula como um adversário - aparecendo na frente nas pesquisas, manifestações nas ruas, outros poderes se posicionando contra o presidente, a CPI e a demora no término da vacinação – esse combo, para 2022 pode enfraquecer Jair Bolsonaro que, hoje, embora muitos não aceitem, ainda é um nome muito forte e com um eleitorado cativo.

Brincando com fogo 

Uma coisa é fato: com polêmicas, como a do voto impresso – que deve ser derrotado no Congresso – o presidente está brincando com fogo e só se desgasta.

Acordo com a Vale

O projeto do acordo com a Vale finalmente será votado na quarta-feira. Não há mais impasse entre a Assembleia e o governo sobre essa questão, mas os reflexos do impasse do acordo com a Vale continuam ocorrendo. 

ALMG deve derrubar decreto do governo

Neste momento, dezenas de ônibus de transporte fretado estão na porta da Assembleia em protesto. Isso porque, na mesma sessão plenária em que vai votar em segundo turno a PEC do acordo com a Vale, a Assembleia deve votar e pode derrubar um decreto do governo, publicado em janeiro, que regulamenta mudanças no transporte fretado em Minas.

O decreto trata três pontos: acaba com a exigência da lista de passageiros com 12 horas de antecedência, acaba com o circuito fechado - ir e voltar com os mesmos passageiros (estilo excursão) e também, depois de ter sido alterado, acabou com o limite de idade desses ônibus para viagens fretadas em Minas, que é o ponto que está gerando protesto.

Cutucou onça com vara curta

Resumo da Ópera: o decreto deve ser derrubado - porque é uma bandeira do deputado Guilherme da Cunha (Novo). Para defender o projeto do acordo com a Vale, ele subiu na tribuna e criticou os colegas – cutucou onça com vara curta. No dia seguinte, teve início a articulação para a derrubada do decreto defendido por ele.

O decreto do transporte já era visto por alguns deputados como um instrumento para favorecer a Buser em Minas, empresa da qual o deputado era advogado antes de virar parlamentar.

Mais longe das privatizações

Já vai ser difícil para o governo aprovar pautas prioritárias, como privatização da Codemig, Cemig, Copasa, recuperação fiscal - porque são pautas polêmicas. Não há consenso. Se o governo e a base continuarem fazendo discursos que são considerados ataques pelos deputados aí é que não sai nada mesmo até a eleição.

Instagram: @reporteredilenelopes
Twitter: @reporteredilene

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Jogador de 20 anos tem multa avaliada em R$ 7 milhões para clubes brasileiros

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Goleiro do América poderá voltar a jogar 'com mesmo nível de excelência'

    Acessar Link