Edilene Lopes

Coluna da Edilene Lopes

Veja todas as colunas

Minas vacinará todos os grupos prioritários até o meio do ano 

18/01/2021 às 04:24
Ouça na Íntegra
00:00 00:00

A tão criticada Coronavac, primeiro porque era feita em parceria com a China e depois porque teve eficácia geral de 50,38%, por enquanto é, efetivamente, a única vacina que temos, já que a outra vacina liberada, a de Oxford, ainda não chegou ao Brasil. Graças à Coronavac, produzida no Instituto Butantan em São Paulo, a imunização está começando em todo país, mesmo que de forma tímida e, no primeiro momento, apenas para os grupos mais prioritários. Aqui em Minas Gerais, por exemplo, serão vacinados primeiro os profissionais de saúde da linha de frente do combate a covid-19, idosos em asilos e comunidades indígenas e quilombolas.

Protagonismo de Doria[

Com toda a polêmica travada entre o governo federal e o governo de São Paulo, o governador João Doria, que capitaneou o movimento pela produção da vacina no Butantan, acabou ficando com o protagonismo, que nesse caso mereceu.

Mesmo tendo tido as vacinas que comprou confiscadas pelo governo federal, ele insistiu no ato simbólico e político e não só abriu a vacinação no país ontem, sendo responsável pelas primeiras doses, como, sabiamente, priorizou os profissionais de saúde e vacinou primeiro uma técnica em enfermagem, mulher, negra, um símbolo da mão de obra que trabalha com dedicação e coragem no Brasil. Na sequência, vacinou uma mulher, indígena e também profissional da saúde. 

Vão ter que me engolir 

E os desafetos de Doria, incluindo o presidente da República, tiveram que engolir seco o fato de a Anvisa, órgão do governo federal, chancelar a vacina defendida e produzida pelo governo de São Paulo e aceitar que o socorro ao Brasil chegou pelas mãos de um governador quando deveria ter partido da União.

Minas

No meio de toda essa confusão, Minas Gerais é um dos estados com a melhor organização para distribuir e vacinar a população e já está com agulhas, seringas, e refrigeradores comprados e distribuídos, sendo que seringas e agulhas são suficientes para vacinação, em duas doses, de quase toda a população mineira. Ou seja, em termos de logística e planejamento, o governo de Minas fez o trabalho adequado. 

Abertura da vacinação

Em entrevista à exclusiva à Itatiaia, o governador Romeu Zema adiantou que os primeiros a serem vacinados hoje serão profissionais de saúde. A vacinação seria no fim da tarde no Hospital Eduardo de Menezes, referência em tratamento de doenças infecciosas, mas como as vacinas que chegariam no meio da tarde vão chegar às 18h50 em Confins, houve mudança de planos e a vacinação simbólica será no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte.

O governador Romeu Zema disse hoje durante a entrevista que até o meio do ano espera que a população mineira esteja imunizada. Ele se referia especificamente aos grupos prioritários já que, apesar do desejo de todos, vacinar a população inteira deve levar um pouco mais de tempo. 

Zema também disse que o governo federal estuda incluir os professores em grupos prioritários. Minas está seguindo o calendário nacional de vacinação, mas aqui os professores já estão em entre os grupos prioritários, já que a lei estadual, de autoria do deputado estadual André Quintão (PT) e sancionada pelo governador,  garante vacina a servidores públicos que tenham contato com o público, o que inclui saúde, segurança e também os professores, embora nem todos de uma só vez. 

ABC da Política

As definições de palavras do dia a dia da política que citamos aqui você encontra no ABC da Política, para consulta e compartilhamento no Instagram @reporteredilenelopes.

 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Goleiro do América poderá voltar a jogar 'com mesmo nível de excelência'

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Presidente da República admitiu impasses para seu projeto de reeleição em outubro

    Acessar Link