Ouça a rádio

Compartilhe

Kalil e presidente do TRE-MG não devem ir à diplomação dos eleitos

O prefeito Alexandre Kalil (PSD) e o presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), o desembargador Alexandre Victor de Carvalho não devem comparecer à cerimônia de diplomação, do próprio prefeito e dos vereadores eleitos em 2020. A cerimônia está marcada para esta sexta (18), às 17h, no Grande Teatro do Palácio das Artes. O espaço tem capacidade para receber 1.200 pessoas. 

Ao todo são 41 parlamentares e cada um deles pode levar um acompanhante, o que somaria 82 pessoas. Na cerimônia, também haverá presença de servidores do TRE-MG, que é responsável pela entrega do diploma, sem o qual os eleitos não podem tomar posse, o que vai ocorrer no ano que vem.

O eleito que não comparecer à cerimônia, que deve ser o caso do prefeito Alexandre Kalil, pode pegar o diploma no cartório eleitoral a qualquer momento, a partir desta sexta. Algumas cidades optaram por uma solenidade virtual, com entrega do diploma eletrônico. 

Condução

A solenidade deve ser conduzida pela juíza Fabiana Paskua, diretora do foro eleitoral de Belo Horizonte. O promotor do foro, Marcelo Milagres, estará na mesa, como convidado de honra. Os sete integrantes da corte, o que inclui o desembargador presidente não comparecerão. O presidente do TRE-MG não vai conduzir a cerimônia porque, tradicionalmente, ela é conduzida pela presidência do foro, por se tratar de um evento municipal e não estadual. 

Nem um, nem outro

A ausência do prefeito Alexandre Kalil, que não foi confirmada oficialmente, estaria relacionada à postura de evitar espaços com um número maior de pessoas. A cerimonia deve contar com cerca de 100 pessoas num espaço para 1.200.

Essa também, segundo informação de bastidores, seria uma preocupação de outras autoridades, já que o momento pede cautela e o número de casos de covid-19 aumentou depois das eleições. Sendo assim, o evento não deve contar nem com a presença do prefeito e nem do presidente do TRE.

Posse

Na posse, marcada para o dia primeiro, Alexandre Kalil deve comparecer. Mas o que corre à miúda e que a presidente da Câmara, Nely Aquino (Podemos), estaria contando com a possibilidade de cada eleito poder levar quatro convidados ao plenário da casa para a solenidade e com esse número, Kalil teria dito que não ia, já que pelo tamanho do plenário da Câmara esse número de convidados poderia gerar aglomeração. A conversa atual é de que cada um possa levar dois acompanhantes.

As definições de palavras do dia a dia da política que citamos aqui você encontra no do ABC da Política, para consulta e compartilhamento no Instagram @reporteredilenelopes.