Edilene Lopes

Coluna da Edilene Lopes

Veja todas as colunas

Com privatização da Codemig, Codemge pode ser extinta se não se tornar sustentável

24/05/2021 às 05:05

Caso a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) seja privatizada, como planeja o Governo de Minas, a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), da qual a Codemig faz parte, pode ficar insustentável, segundo o novo diretor-presidente da estatal, Thiago Toscano.

Isso porque, de acordo com ele, quase toda a receita da Codemge vem da Codemig, com a exploração do nióbio, um dos metais mais caros do mundo e com pouquíssimas jazidas no planeta. Uma delas fica aqui em Minas e é explorada pelo governo estadual.

Desestatiza ou acaba 

A possibilidade de extinção da Codemge, caso não seja reorganizada, foi tratada em uma reunião com funcionários da companhia na semana passada. A receptividade foi boa, segundo fontes da Itatiaia dentro da estatal. 

Além do nióbio...

A Codemge tem outros bens, como parques de exposição em todo o estado (a exemplo do Expominas, em Belo Horizonte), o Grande Hotel de Araxá, parques industriais, além de participação societária em vários negócios.

A missão de Toscano é organizar a empresa para viabilizar a privatização da Codemig, desfazer os ativos da Codemge que dão prejuízo e manter a companhia sustentável, para que não seja extinta.

Ele fará isso junto a Eduardo Zimmer Sampaio, que presidiu a Casa da Moeda justamente no processo de preparação para a privatização. Além dos dois, toda diretoria foi mudada e uma nova foi criada, a jurídica. Fazem parte da diretoria, agora, Mateus Ayer Quintela, Humberto Ribeiro Peixoto e Bruno Estefano Teixeira

Extinção da Cohab

Por falar em extinção, essa é uma das possibilidades para a Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab Minas), conforme a Itatiaia informou em primeira mão no início do mês. 

Até o fim do ano

Segundo Toscano, a venda da Codemig por no mínimo R$ 20 bilhões pode ocorrer ainda neste ano, mas antes disso é necessária a aprovação da Assembleia Legislativa e resolver a questão sobre a divisão dos recursos de exploração do nióbio com a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração.

O debate sobre a divisão dos recursos entre a empresa privada que executa a exploração e o Estado de Minas Gerais está no Ministério Público. A suspeita é que o Estado esteja ficando no prejuízo, porque o nióbio que sai da mina do governo é mais concentrado do que o da mina privada, que explora as duas.

No entanto, a divisão dos recursos vinha sendo feita de forma igualitária, deixando o Governo de Minas no prejuízo. Para Toscano, esse questionamento não procede e resolver o impasse é prioridade. A questão é polêmica. 

Galinha dos ovos de ouro

Dona de uma das poucas jazidas do mundo de um dos metais mais valorizados do planeta, a Codemig se torna a galinha dos ovos de ouro do Estado e rende cerca de R$ 1 bilhão por mês. Mesmo assim, o Governo de Minas defende a venda, para arrecadar ao menos R$ 20 bilhões, o equivalente a cerca de 20 anos de exploração do metal no valor atual.

Mesmo se, do ponto de vista de arrecadação a longo prazo, pode parecer um péssimo negócio, Toscano defende que a entrada desses recursos é fundamental para resolver a crise financeira de Minas e seria usado para investir em infraestrutura, caso o Estado não estivesse quebrado. A privatização contempla o pilar liberal do governo Zema de diminuição do tamanho do Estado.

Antecipação de recebíveis do nióbio: “Mau negócio”

Sobre a operação que não ocorreu e que anteciparia os recebíveis do nióbio até 2032, com o valor variando de R$ 2,5 bilhões a R$ 5 bilhões, a avaliação pessoal de Toscano é que era um mau negócio, com um deságio muito grande.

Fila da privatização

Antes da entrada do empresário Salim Mattar no governo Zema, como consultor voluntário na área de privatizações, Toscano cuidava desse planejamento. Segundo ele, estudos de viabilidade de desestatização de Copasa, Cemig, Gasmig, MGS e Cohab Minas estão em fase final e devem apontar se o melhor é desfazer de parte ou do todo de algumas dessas empresas. A entrevista completa você ouve no podcast Abrindo o Jogo desta segunda-feira (24). 

Instagram: @reporteredilenelopes
Twitter: @reporteredilene

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    De 18 casos identificados no Brasil, dois resultaram em morte

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Pais revelam alívio pela imunização e segurança na eficácia das vacinas

    Acessar Link