Ouça a rádio

Compartilhe

Centro de Atendimento ao Adolescente Infrator vai para onde ficava ocupação Maria Carolina de Jesus

O Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Autor de Ato Infracional (CIA/BH), inaugurado em dezembro de 2008, vai mudar de endereço. A unidade, que hoje fica na rua Rio Grande do Sul, no Barro Preto, vai para a avenida Afonso Pena, número 2.300, ao lado da Secretaria Municipal de Saúde. Informação em primeira mão na coluna Em Cima do Fato, confirmada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Segundo o tribunal, o prédio da rua Rio Grande do Sul é alugado.

Ocupação Maria Carolina de Jesus

O prédio, de 15 andares, ficou ocupado por quase um ano, de setembro de 2017 a julho de 2018, quando passou pela reintegração de posse e as cerca de 200 famílias do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) deixaram o edifício e assinaram um acordo extrajudicial para reassentamento em um terreno no Barreiro. O prédio, à época, pertencia à Fundação Sistel de Seguridade Social (Sistel), fundo de previdência da Telebrás.

Há quase três anos vazio, o prédio agora está passando por reformas para receber o CIA, que é é intersetorial e tem, no mesmo local, unidades da Polícia Militar, Polícia Civil, da Secretária de Segurança Pública e Justiça, do Ministério Público e do TJMG. Cada órgão vai ser responsável pela reforma da sua parte. A obra ainda não tem data para terminar e a transferência do CIA, do Barro Preto para o Funcionários também não.

Possíveis impactos da mudança de endereço

O prédio atual fica numa região mais central e mais próxima da maior parte dos pontos de ônibus e lanchonetes populares. A mudança de local pode subir um pouco o custo do acompanhamento de ocorrências para famílias de adolescentes que cometeram atos infracionais. Quem conhece o CIA sabe que pais e familiares costumam ficar por várias horas na porta aguardando desenrolar da ocorrência. 

Números do CIA

De acordo com o relatório estatístico da Vara Infracional da Infância e Juventude de 2019, últimos dados disponíveis, em 2019 foram encaminhados para o CIA/BH, 6.838 casos para atendimento. 552 eram cumprimentos de mandados de busca e apreensão e 6.286 novos casos de apuração de atos infracionais. 4.022 adolescentes – considerados individualmente – foram encaminhados como autores de atos infracionais, 2.264 eram reincidentes.

As regionais Nordeste, Venda Nova e Noroeste concentraram os maiores índices de residência de adolescentes autores de atos infracionais. 17,33% dos jovens, num total de 697 atendimentos, residem em municípios da Regional Metropolitana. 85,28% são do sexo masculino.

Instagram: @reporteredilenelopes
Twitter: @reporteredilene