Notícias

ONU prevê que 235 milhões de pessoas precisem de assistência humanitária em 2021

Estimativa está em novo relatório anual da Coordenação de Assuntos Humanitários

Por Agência Brasil, 01/12/2020 às 16:56
atualizado em: 01/12/2020 às 17:23

Texto:


Cerca de 235 milhões de pessoas vão precisar de assistência humanitária e proteção em 2021, segundo relatório que será apresentado pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha, na sigla em inglês). O novo relatório anual do Ocha sobre a situação humanitária global, que vai ser lançado em Genebra, prevê um aumento de 40% de pessoas vulneráveis em relação a 2020 e destaca que serão precisos pelo menos 29 bilhões de euros para garantir a assistência humanitária em 2021.

Segundo o Ocha, "a pobreza extrema aumentou pela primeira vez em 22 anos" e vão surgir múltiplas situações de falta de alimentos e fome. A organização alerta que, no final do próximo ano, 736 milhões de pessoas poderão estar em situação de pobreza extrema, a viver com menos de 1,60 euro por dia.

O relatório vai ser apresentado em eventos virtuais em Genebra e outras capitais do mundo, com uma mensagem do secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, e do subsecretário-geral para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock.

O documento trata de 56 países afetados por crises humanitárias e inclui planos específicos para 34 países em que a população poderá sofrer mais com fome, conflitos armados, falta de alojamento, impacto das mudanças climáticas e dificuldades criadas pela pandemia de covid-19. Os planos de resposta apresentados pelo Ocha visam chegar a 160 milhões de pessoas em situação de forte necessidade e têm custo estimado de US$ 35 bilhões no próximo ano.

Entre os fatores que atingem os mais vulneráveis estão o aumento dos preços dos alimentos, a quebra de rendimentos, interrupção de programas de vacinação, o fechamento de escolas, desalojamento e a violência. Os planos específicos para fornecer ajuda humanitária incluem Moçambique, Colômbia, Venezuela, Ucrânia, República Centro-Africana, Afeganistão, Iémen, Síria e outros países.

Entre os problemas que as Nações Unidas se propõem a aliviar estão as "consequências brutais de conflitos e deslocamentos que prejudicam principalmente mulheres e crianças, pragas de gafanhotos, o clima extremo" e o impacto da covid-19.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Padre Paulo Roberto Marques morreu afogado após cair no poço da Cachoeira Lavadeiras, no distrito de Curimataí, em Buenópolis. #Itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Mais de 87 mil doses do imunizante desembarcam nesta tarde no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins. #Itatiaia

    Acessar Link