Notícias

Com pandemia, participação das mulheres no mercado de trabalho é a menor em 30 anos

Em função da sobrecarga nas tarefas domésticas e nos cuidados com crianças e idosos, parcela chegou a 46,3% no segundo trimestre

Por Estadão Conteúdo, 25/10/2020 às 07:39
atualizado em: 25/10/2020 às 10:29

Texto:

Foto: Arquivo/Agência Brasil
Arquivo/Agência Brasil

Em meio à pandemia, com empresas fechando postos de trabalho, escolas operando a distância e idosos precisando de cuidados extras, a participação das mulheres no mercado de trabalho alcançou o patamar mais baixo dos últimos 30 anos. Os hábitos e a cultura da sociedade têm impedido muitas mulheres não só de trabalhar, mas até de procurar emprego. E, dentro de casa, elas ficaram - ainda mais - sobrecarregadas.

A participação feminina no mercado (indicador que considera mulheres com mais de 14 anos que trabalham ou estão procurando emprego na comparação com o universo total do gênero) ficou em 46,3% no segundo trimestre deste ano. Desde 1991, o número não caía abaixo dos 50% e desde 1990 não atingia valor tão baixo, quando ficou em 44,2%, segundo dados do IBGE.

A obrigação que recai sobre as mulheres de cuidar dos filhos é um dos motivos para essa queda da participação feminina no mercado. Entre as mulheres que têm criança de até 10 anos em casa, esse recuo foi de 7,7 pontos porcentuais entre o segundo trimestre de 2019 e o mesmo período deste ano. Já entre as mulheres em geral, a redução foi de 7,1 pontos porcentuais e, entre os homens, de 6,3 pontos porcentuais.

“Com a pandemia, muita gente deixou de procurar trabalho. Ficou arriscado sair de casa para isso e o mercado não está receptivo. No caso das mulheres, o problema foi agravado porque os cuidados com a casa costumam recair mais sobre elas”, diz o economista Marcos Hecksher, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Antes da quarentena, as mulheres já dedicavam, em média, 10,4 horas por semana a mais que os homens em tarefas domésticas. No ano passado, o tempo médio gasto pelas mulheres com esses afazeres foi de 21,4 horas por semana, enquanto o dos homens foi de 11 horas, segundo o IBGE.

Com a covid-19, a situação piorou. Pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz mostra que 26,4% das mulheres entrevistadas afirmaram que o trabalho doméstico aumentou muito, entre os homens o porcentual é de 13%. O levantamento indica ainda que as mulheres estão mais tristes e deprimidas (50%) que os homens (30%).

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Medida foi tomada devido ao aumento no número de casos e mortes por coronavírus. #Itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽📻 Ouça a transmissão com a equipe da Rádio Itatiaia direto do Independência. #Itatiaia

    Acessar Link