Notícias

Um ano após queda de ponte, Gênova chora por vítimas e apela por justiça

Colapso de viaduto deixou 43 mortos no dia 14 de agosto de 2018

Por Ansa Brasil, 14/08/2019 às 12:20
atualizado em: 14/08/2019 às 12:22

Texto:

 

O desmoronamento da ponte Morandi, em Gênova, o qual deixou 43 mortos no dia 14 de agosto de 2018, completa um ano nesta quarta-feira(14) em meio a uma série de homenagens às vítimas e protestos por justiça.

Uma missa em memória das pessoas que perderam a vida acontece sob o novo pilar 9 do viaduto. A cerimônia é celebrada pelo arcebispo da cidade italiana, o cardeal Angelo Bagnasco, que fez a leitura dos nomes das vítimas.

O rito religioso foi interrompido às 11h36 (horário local), hora exata da tragédia. Os sinos de luto, o som das sirenes dos navios no porto e as buzinas dos motoristas de táxi prestaram a homenagem.

O Presidente da Itália, Sergio Mattarella, que foi recebido sob aplausos, abraçou as famílias das vítimas antes da comemoração.

Nem todos os familiares participam do evento. Alguns chamaram o rito de uma passarela de políticos e protestaram por justiça.

Estiveram presentes também o CEO da Atlantia e ex-diretor administrativo da Autostrade per l'Italia Giovanni Castellucci, um dos suspeitos pelo colapso, além do atual CEO da Aspi, Roberto Tomasi, e outros representantes. Segundo relatos, a delegação da Autostrade per l'Italia foi convidada pelo prefeito de Gênova, Marco Bucci. Depois de pouco tempo, no entanto, o grupo deixou o galpão após reclamação das famílias das vítimas.

"Um ano depois da tragédia da Ponte Morandi, a diretoria da Autostrade per l'Italia, a diretoria da Atlantia e os trabalhadores de todo o grupo renovam suas condolências e a mais sincera compaixão pelas vítimas do colapso e pela dor de suas famílias", diz a concessionária em carta publicada nos jornais italianos.

"Estamos conscientes e profundamente arrependidos pela gravidade do sofrimento e dos transtornos causados a toda a comunidade genovesa pelo colapso da Ponte Morandi", acrescenta o texto. O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, afirmou que Gênova, hoje, é um símbolo do desejo de renascer. "A reconstrução começou. A nova ponte terá que ser viável em abril do ano que vem. Agradeço a todos pelo trabalho feito em conjunto. A ponte será o símbolo de renascimento". Para Bucci, o momento é de recordação e comemoração, porque Gênova "quer crescer, merece uma infraestrutura de primeiro nível e a cidade é unida e colabora". "Tanto no lado oeste como no lado leste da ponte ainda estamos trabalhando hoje, não interrompemos as obras, a nova pilastra 9 é de quase 20 metros, já temos 11 pilares com fundações. Estamos respeitando o plano de trabalho, estou convencido de que no final de abril de 2019 vamos inaugurar a ponte", explicou o prefeito de Gênova.

As causas do colapso ainda estão sob investigação, mas suspeita-se de falha estrutural. Até o momento, ninguém foi responsabilizado pela tragédia, justamente por isso as celebrações também são marcadas pelo protesto de familiares das vítimas. "Como uma nação não podemos jogar fora. Devemos ter coragem e precisamos encontrá-la novamente. Queremos justiça. Se falta justiça, um Estado democrático não faz sentido. Nós perdemos um pedaço do nosso coração, que não pode mais ser devolvido. A dor da morte deles é absurda que não podemos nos resignar e aceitar", disse Egle Possetti, representante das famílias.

Segundo ela, todos que perderam um ente querido no desabamento da ponte têm "sobrevivido por um ano". "Gostaríamos de voltar à vida, mas é como uma montanha para escalar: não podemos mais pensar em abraçá-los e ver o sorriso deles. O que aconteceu é inaceitável", indagou.

Papa Francisco - O papa Francisco recordou as vítimas em uma carta enviada ao povo genovês e fez um apelo para que todos jamais percam a esperança.

"Foi uma ferida infligida no coração da cidade, uma tragédia para quem perdeu os próprios parentes, um drama para os feridos, um evento assustador para quem foi obrigado a deixar as próprias casas vivendo como deslocado", relembrou no texto publicado no jornal italiano "La Stampa" ontem (13).

Jorge Bergoglio disse lembrar sempre de rezar pelas vítimas e afirmou não ter "respostas", porque "depois dessas tragédias só se pode chorar, permanecer em silêncio e interrogar sobre a razão da fragilidade daquilo que construímos e, sobretudo, rezar". Projeto - A demolição da Ponte Morandi teve início em fevereiro passado, com a desmontagem do tabuleiro de 800 toneladas e 36 metros de comprimento que resistira ao desabamento. No entanto, no dia 7 de março, as autoridades italianas suspenderam a demolição após encontrar amianto, um mineral altamente cancerígeno, no pilar 8 da estrutura, e só retomaram dias depois.

Já as obras de reconstrução da estrutura foram iniciadas no dia 15 de abril, com a instalação da primeira das 11 colunas que sustentarão as fundações de um dos pilares da nova ponte.

A demolição total foi finalizada na última segunda-feira (12), enquanto que a reconstrução ainda está em curso e ficou a cargo do consórcio PerGenova, formado pela estatal Fincantieri e pela construtora privada Salini Impregilo. O projeto foi feito pelo arquiteto e senador vitalício Renzo Piano e é estimado em 200 milhões de euros, com expectativa de conclusão para abril de 2020.

Inaugurada em 1967, a ponte havia sido construída por meio de um método desenvolvido pelo engenheiro italiano Riccardo Morandi baseado em uma ponte estaiada, mas com as pistas suspensas por cabos de concreto, e não de aço, como é mais comum.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link