Notícias

Técnico da Argentina diz que revolta pela derrota para o Brasil só aumenta

Por Agência Estado, 05/07/2019 às 16:58
atualizado em: 05/07/2019 às 17:02

Texto:

 

A Seleção Argentina ainda não engoliu a derrota para o Brasil na semifinal da Copa América. Na véspera da disputa pelo terceiro lugar contra o Chile, o técnico Lionel Scaloni disse que a revolta pelos dois pênaltis não marcados para a sua equipe só aumenta com o passar dos dias.

"Aconteceu uma coisa muito curiosa. Logo depois de uma derrota, normalmente, a gente fica revoltado e pensa que tiraram algo da gente. E no dia seguinte, e nos próximos, vai ficando mais tranquilo. Nesse aspecto foi o contrário. Quanto mais passa o tempo, mais a gente vê que tiraram algo da gente", comentou o treinador em entrevista coletiva realizada na Arena Corinthians, palco do duelo com os chilenos. 

Prova de que a irritação argentina não diminuiu foi que nesta sexta-feira a Associação de Futebol Argentino (AFA) enviou nova carta à Conmebol para reclamar da atuação do VAR no duelo com o Brasil. Desta vez, quem assinou o documento foi Federico Beligoy diretor de arbitragem da entidade. Ele diz que houve falha na comunicação entre os árbitros durante o jogo e pediu explicações. A outra carta foi enviada pelo presidente da AFA, Claudio Fabián Tapia, no dia seguinte à derrota.

"A gente tinha o jogo na mão, tinha os méritos para ir à final. Mas o VAR, o árbitro e os detalhes pequenos não permitiram. Hoje mais frio, percebo que alguma coisa aconteceu. Mas agora já foi. De alguma forma tem de virar a página. Mas ainda estamos muito doloridos e nos sentindo muito prejudicados", prosseguiu Scaloni.

FUTURO - O treinador também falou sobre seu futuro à frente da a seleção argentina. Ele assumiu a equipe como interino em novembro do ano passado e tem contrato até o final de 2019. "Falei com o presidente faz pouco tempo. Sei que vou cumprir meu contrato até o fim. Além disso a gente não sabe. Nos próximos seis jogos estarei a frente da seleção. Agora, sinceramente, isso não é o mais importante. mas confirmo que fico nesses seis jogos e é isso", disse.

Durante a entrevista, ele precisou repetir inúmeras vezes essa declaração. Até que chegou o momento em que Scaloni minimizou a importância de quem estará no comando da seleção no próximo ano. Para ele, o importante é que a renovação seja mantida e com a base que ele convocou para a Copa América.

"O Peru hoje está merecidamente na final, mas cinco dias atrás os peruanos estavam criticando a seleção. o futebol não tem lógica. O que acredito é que os jogadores tem de ser os mesmos. Quem vai estar sentado no banco de treinador não é o mais importante", disse.

Por fim, mandou um recado aos veteranos. "Eles não têm que avisar antes se vão querer ou se não vão querer mais jogar pela a Argentina. Eles estão à disposição. Se aparecer a situação de ser convocado e não quiser, aí explicam depois e não antes", encerrou.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link