Notícias

Técnica de Barras de Access é nova aposta no combate a ansiedade

Por Aline Campolina/Itatiaia, 03/10/2019 às 11:21
atualizado em: 07/10/2019 às 10:40

Texto:

Foto: Pixabay/ banco de imagens
Pixabay/ banco de imagens

 A ansiedade é um transtorno que atinge cada vez mais a população. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) convivem com esse mal. O índice é preocupante, principalmente porque muitas pessoas fazem uso de medicamentos para controlar a ansiedade.

Algumas técnicas alternativas têm ganhado reconhecimento pela eficácia no combate ao transtorno, como meditação, pilates e yoga. Outro método relativamente novo no Brasil e que já é bastante procurado são as Barras de Access, método que trabalha diretamente nos principais pontos responsáveis pela ansiedade e outros males psicológicos.

Hoje a técnica está presente em 177 países e tem sido utilizada por milhares de pessoas nos últimos 30 anos. Há aproximadamente quatro anos chegou ao Brasil e tem sido cada vez mais falada nas redes sociais.

Segundo Dilma Silva, facilitadora em Barras de Access, o objetivo da técnica é liberar as limitações do indivíduo através de 32 pontos energéticos mapeados ao redor da cabeça. “Ao tocar nesses pontos específicos vão se liberando limitações, bloqueios, falsas crenças e negatividades que podemos trazer ao longo da vida”, acrescenta Dilma.

Na técnica não se usa nenhum aparelho, apenas as pontas dos dedos em pontos específicos na cabeça. As sessões duram em torno de 1 hora e 30 minutos. Mas podem-se fazer sessões também de 20 minutos.

Apesar de alguns pacientes se sentirem melhor já nas primeiras sessões, cada organismo reage de uma maneira, podendo os resultados vir de acordo com o tipo de limitação, da área e de como a ansiedade ou outro mal afeta cada um.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link