Notícias

Suécia se vinga de final olímpica, despacha a Alemanha e vai à semifinal da Copa do Mundo

Por Agência Estado, 29/06/2019 às 16:33
atualizado em: 29/06/2019 às 16:42

Texto:


A Suécia bateu a Alemanha por 2 a 1, de virada, neste sábado, e garantiu a última vaga nas semifinais do Mundial de Futebol Feminino, que está sendo disputado na França. O jogo disputado em Rennes marcou a quinta qualificação das suecas para esta fase na história do torneio. De quebra, ainda representa uma vingança para as suecas, que, há três anos, no Rio de Janeiro, perderam a final olímpica para as alemãs e agora deixam as rivais de fora do torneio nos Jogos de Tóquio-2020.

Até então sem sofrer um gol sequer na competição, as alemãs entraram em campo como favoritas, mas acabaram sucumbindo ao oportunismo das escandinavas e ao calor do noroeste francês, dizendo adeus ao sonho do terceiro título mundial. As suecas, por sua vez, juntam-se a Estados Unidos, Inglaterra e Holanda. Esta por sinal, bateu a Itália neste sábado por 2 a 0, em Valenciennes, e será a adversária da Suécia em Lyon, na quarta-feira, às 16 horas (de Brasília).

Na partida deste sábado, a campeã mundial de 2003 e 2007 começou tomando a iniciativa. Disposta a resolver o jogo logo na primeira etapa, as alemãs realizaram uma pressão muito forte para cima das adversárias e conseguiram abrir o placar logo aos 15 minutos. Após roubada de bola na intermediária rival, Dabritz encontrou Lina Magull entrando livre na área. A camisa 20 recebeu no meio do miolo de zaga sueco e girou bonito para bater no canto: 1 a 0.

Seis minutos depois, a Suécia mostrou não se intimidar com o domínio rival e empatou, aproveitando uma ligação direta da defesa para o ataque que encontrou a atacante Sofia Jakobsson posicionada de frente para o gol. Ela bateu na saída da goleira Schult e deixou tudo igual no marcador.

Mesmo com a igualdade cedida, a Alemanha continuou pressionando, porém sem competência na hora de definir para o gol. Nos 15 minutos finais, aparentemente sentindo o esforço e o forte calor de 32ºC em Rennes, as campeãs olímpicas desceram para o intervalo com fortes indícios de cansaço físico.

E, para piorar a situação das alemãs, logo após a volta dos vestiários a Suécia virou o jogo, aos dois minutos. A atacante Stina Blackstenius aproveitou rebote de Schult em cabeçada de Fridolina Rolfo e deixou sua equipe à frente no placar, sacramentando a primeira virada da fase de mata-mata do torneio.

Depois do gol, a Alemanha ainda pôs em campo Dzsenifer Marozsán, que atua no Lyon e disputou com a brasileira Marta o prêmio de melhor jogadora do mundo em 2018. A atacante sofreu uma lesão no dedo no início do Mundial e voltou a campo para buscar o gol que levaria a partida para a prorrogação até o fim. Porém, mesmo com amplo domínio em termos de chances perdidas, as alemãs não conseguiram o empate, permitindo que a seleção da Escandinávia continue sonhando com seu primeiro título mundial.

Com um sabor de vingança, a eliminação também deixa as alemãs de fora das disputas em Tóquio-2020. Isto porque apenas as três primeiras colocadas do continente europeu no Mundial - as outras duas ja são Inglaterra e Holanda - têm vaga assegurada no torneio olímpico. No Rio de Janeiro, em 2016, a Alemanha vencera a própria Suécia na final pelo mesmo placar (2 a 1).

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link