Notícias

Sem água tratada, Rio das Velhas é única fonte para milhares de moradores da Grande de BH

Por Redação, 06/06/2017 às 20:03

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Ana Solares / Projeto Manuelzão
Ana Solares / Projeto Manuelzão

Galeria 2


Veja mais fotos

No sétimo e penúltimo dia da Expedição ‘Rio das Velhas, te quero vivo’, a reportagem da Itatiaia mostra a situação de milhares de pessoas que moram às margens do rio e não têm tratamento de água e muito menos de esgoto. É o caso dos 600 moradores de Maquiné, comunidade de Sabará, na Região Metropolitana de BH. 

“Sou casada, tenho seis filhos, avó de dois netos e a água lá a gente bombeia do rio, do córrego Santo Antônio”, conta Geneci Ferreira dos Anjos Rocha, 38 anos, moradora da comunidade.

Sem água tratada e esgoto, Geneci conta que os filhos já tiveram vários problemas de saúde. “Já passei muito sufoco em questão de bronquite e de doenças de xistose. Depois que implantou as fossas, diminuiu bastante a questão da doença”, diz.

Segundo a Prefeitura de Sabará, não há recursos para urbanizar e levar água e tratamento de esgoto à comunidade. O problema é comum em Sabará, cidade que joga 100% do esgoto no Rio das Velhas. Situação que ocorre também nas cidades de Rio Acima e Raposos.

Apesar de o Velhas não passar por Belo Horizonte, Marcos Poliano, coordenador do Projeto Manuelzão, destaca que a população da capital também contribui para poluir o rio, já que 20% do esgoto não é tratado. “Como é uma população de cerca de 2,5 milhões de pessoas, é um valor muito pesado. Na nossa lógica, é fundamental que haja essa interceptação desse resto de esgoto”, ressalta. 

De acordo com Poliano, em cerca de 120 anos a quantidade de água no Rio das Velhas diminuiu significativamente. “O preocupante é que, a cada ano que passa, com as avaliações que fazemos, a quantidade de água no rio vem diminuindo”, diz. 

“Não adianta olhar só para a calha. Temos que olhar para o entorno, para o território, temos que olhar para as montanhas que nos alimentam. Se não preservarmos cada gota que temos, e o cenário mostra, vamos perder o rio”, sentencia. 

O grupo de canoístas que faz parte da expedição vai percorrer neste sábado os últimos 18 km de navegação, de Sabará até Santa Luzia, trecho onde o Rio das Velhas encontra com o ribeirão do Onça.

Ouça acima a reportagem completa de João Felipe Lolli.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link