Notícias

Seis meses da tragédia em Brumadinho: o andamento das investigações sobre culpados

Por Redação , 24/07/2019 às 12:05
atualizado em: 24/07/2019 às 14:50

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Felipe Werneck/Ibama
Felipe Werneck/Ibama

Seis meses após o rompimento da barragem da mineradora Vale, em Brumadinho, região Metropolitana de Belo Horizonte, muitas dúvidas permanecem: por que ocorreu a tragédia? Houve negligência? Foi um crime? Os responsáveis foram punidos? Este é o tema do terceiro episódio da especial da Itatiaia. 

Leia também: ‘A indenização foi rápida, mas não foi justa
A mulher que perdeu a vida ao tentar salvar a cadela 

A pedido do Ministério Público Estadual (MPMG), R$ 10 bilhões da Vale, responsável por administrar a barragem B1, que rompeu em Brumadinho, foram bloqueados. R$ 5 bilhões, referentes à reparação socioeconômica, e outros R$ 5 bilhões para a reparação ambiental. Além disso, a empresa pode ser penalizada por responsabilidade criminal. 

Foram mais de dez audiências de conciliação entre a força-tarefa e a Vale, mediadas pelo juiz da 6ª Vara da Fazenda Pública Estadual. A próxima audiência acontece em 5 de agosto. Desses encontros, saíram definições importantes: a contenção de rejeitos ao longo do Rio Paraopeba; a construção de uma nova captação de água no leito do rio; o auxílio emergencial de um salário mínimo para todos os moradores de Brumadinho e também aquelas que residem até um quilômetro da margem do rio. 

De acordo com a promotora estadual Andressa lanchotti, para que haja a responsabilidade efetiva de todos os culpados, é necessário que todo o sistema de Justiça funcione de forma eficaz. “O Ministério Público vem atuando de maneira insistente nesse objetivo. Conseguimos avançar nas investigações criminais e estamos na fase de finalizar laudos periciais importantes, laudos de necropsia, de causas do rompimento e avaliação técnica dos equipamentos apreendidos.”

Finalizado o ‘arcabouço probatório’, será feito o oferecimento da denúncia. “Nossa expectativa é de efetiva responsabilização de todas as pessoas que contribuíram para esse crime. Nesse momento, eu não acho adequado antecipar a capitulação. Há um grupo de promotores atuando no eixo criminal e ele vai definir a correta capitulação”, comenta Andressa Lanchotti ao tratar sobre uma possível condenação de homicídio doloso.  

Dano econômico

A pedido do governo de Minas, mais R$ 1 bilhão foi bloqueado, totalizando R$ 11 bilhões. Um grupo estadual foi criado com a presença de mais de dez órgãos para tentar ajudar a recuperar a economia de Brumadinho e outras 21 cidades afetadas pela contaminação do Rio Paraopeba. 

A agricultura e moradora da comunidade Parque da Cachoeira, uma das regiões mais afetadas pelo rompimento da barragem, Soraia Campos propõem a seguinte reflexão para tratar dos prejuízos que ela vem tendo: “Você comeria um alface vindo de Brumadinho, sem medo de estar contaminado?”.

“Esse é o medo do pessoal de fora. Nós estamos utilizando a água mineral porque também estamos com medo da nossa terra. Eu não culpo ninguém por não querer nossa produção, porque nós também estamos com medo”, completa.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link