Notícias

Peru acirra rivalidade com a Seleção Brasileira na final da Copa América

Por Agência Estado, 04/07/2019 às 10:06
atualizado em: 04/07/2019 às 16:06

Texto:

Foto: Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Brasil e Peru vão se reencontrar na final da Copa América no Maracanã. Depois da partida na fase de grupos, quando a seleção brasileira teve uma grande atuação e ganhou por 5 a 0, na Arena Corinthians, as duas equipes decidem a taça no domingo. É a chance da revanche conquistada pelos peruanos após a vitória surpreendente sobre o Chile por 3 a 0, nessa quarta-feira (3), em Porto Alegre.

O reencontro representa mais um capítulo de um rivalidade cada vez mais acirrada nos últimos anos. Foi o Peru que derrubou o técnico Dunga em 2016, abrindo espaço para a era Tite. Quarenta e quatro anos depois da última conquista, o Peru volta a ter a chance de conquistar a América. 

O Peru chegou à final aos trancos e barrancos. Terceiro colocado do Grupo A, com quatro pontos conquistados, o time avançou como um dos melhores terceiros colocados depois de esperar os resultados dos Grupos B e C. Após a frustração do empate sem gols contra a Venezuela, no qual o Peru teve dois gols anulados, a equipe de Paolo Guerrero, grande estrela do time, deslanchou ao superar a Bolívia por 3 a 1. Na última rodada da fase de grupos, um vexame: derrota por 5 a 0 para o Brasil.

A classificação para a semifinal foi sofrida. No tempo normal, o Uruguai teve três gols anulados pelo VAR. Já nas penalidades, o Peru inverteu a lógica e venceu a primeira disputa por pênaltis em competições oficiais. Na última quarta-feira, os peruanos derrubaram o Chile, atual bicampeão do torneio, com uma atuação competente e segura. 

O Peru foi o algoz da seleção brasileira na última edição do torneio, em 2016. Batizada de Copa América Centenário, a competição foi realizada nos Estados Unidos. Na terceira rodada da fase de grupos, o Peru venceu por 1 a 0. Na ocasião, um gol de mão de Ruidíaz, validado pela arbitragem, determinou não só a vitória simples dos peruanos, como também a eliminação do Brasil ainda na primeira fase. Naquele torneio ainda não havia sido implantado o árbitro de vídeo. O resultado foi a gota d’água para a demissão do técnico Dunga e abriu caminho para a chegada de Tite.

O Brasil deu o troco duas semanas atrás. Depois de duas partidas irregulares, diante de Bolívia e Venezuela, a equipe de Tite fez sua grande atuação no torneio. A vitória por 5 a 0 mostrou a força do jogo coletivo e poderia ter sido maior - Gabriel Jesus perdeu um pênalti. Depois de não fazer nenhum gol contra a Venezuela e encerrar uma sequência de 20 jogos nos quais o Brasil sempre balançou as redes ao menos uma vez, a seleção teve mudanças no ataque e apostou em Everton Cebolinha, que se tornou a solução para os problemas ofensivos brasileiros, como a falta de objetividade e profundidade.

Gareca afirmou que foi a pior derrota de sua carreira. Agora, terá a chance de corrigir os erros daquela partida. Um deles foi armar uma equipe ofensiva, que queria jogar de igual para igual com o Brasil. O argentino tem crédito entre os peruanos. Graças ao trabalho do argentino, que soma quatro anos à frente da seleção, o Peru está mudando de patamar no cenário sul-americano.

Nos últimos dez anos, a equipe subiu 35 posições no ranking da Fifa e ocupa hoje o 21.º lugar. No ano passado, o time foi à Copa da Rússia depois de 36 anos - o time acabou eliminado na primeira fase. Na América do Sul, o Peru deixou de ser um saco de pancadas ao lado de Bolívia e Venezuela e virou um time emergente. A vitória sobre o Brasil em 2016 foi o símbolo da ascensão peruana.

Para o jogo de domingo, os peruanos têm um trunfo importante: eles conhecem bem o futebol brasileiro. O atacante Paolo Guerrero atua no País desde 2012; o meia Cueva, ex-São Paulo, está no Santos; o lateral Trauco joga no Flamengo; e o técnico Ricardo Gareca já trabalhou no Palmeiras. Outros quatro dos 23 convocados já atuaram no Brasil: o goleiro Gallese, o lateral Advincula, o meio-campista Yotún e Ruidíaz, carrasco de 2016. 

Na história são 44 confrontos, com 31 vitórias nacionais, nove empates e só quatro derrotas. Em Copas, o Brasil obteve duas vitórias: 4 a 2, pelas oitavas de final da Copa de 1970, e 3 a 0 pela fase semifinal do Mundial de 1978. Na Copa América, a vantagem brasileira é mantida. Foram 12 vitórias, três empates e três derrotas.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link