Notícias

Pai que recebeu rim do filho defende mais campanhas para informar as pessoas sobre doação

Por Redação , 25/09/2019 às 08:35
atualizado em: 25/09/2019 às 08:36

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Eunice Pinto/ Arquivo/ Fotos Públicas
Eunice Pinto/ Arquivo/ Fotos Públicas

Depois de aguardar sete anos na fila por um órgão, o aposentado Ademar Ferreira, 60 anos, encontrou a possibilidade de uma vida nova após o próprio filho Daniel fazer a doação de um dos rins. O aposentado acredita que as pessoas têm medo ao falar do assunto e não têm informações suficientes sobre a doação de órgãos, em vida. Ele faz um apelo por mais campanhas informativas sobre a doação de órgãos.  

“Ainda existe muito medo sobre doação, na própria família e na própria sociedade. E a prova está aí, porque meu filho está bom, saudável. Hoje ele está lutando jiu-jítsu, com menos de um ano de doação”, diz o Ademar, personagem da terceira matéria especial da Itatiaia sobre transplantes. 

No Brasil, a doação de órgãos só pode ser feita, segundo a lei, com a autorização familiar, mesmo que o doador expresse a vontade de doar órgãos em algum documento. 

Existem dois tipos de doador. O vivo, que pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou arte do pulmão. O doador falecido, com morte cerebral, que pode doar vários órgãos ainda saudáveis, de acordo com avaliação médica, como as córneas. 


 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link