Notícias

No dia da redução da mortalidade materna, a importância de diminuição de índice e prevenção 

Por Jacqueline Moura/ Itatiaia, 28/05/2019 às 12:00
atualizado em: 28/05/2019 às 19:52

Texto:

Foto: Agência EBC
Agência EBC

É lembrado nesta terça-feira o Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna. O objetivo da data é chamar atenção e conscientizar a sociedade dos diversos problemas de saúde e distúrbios comuns na vida das mulheres.

De acordo com o Ministério da Saúde, a morte materna é o óbito de uma mulher durante a gestação ou até 42 dias após o término da gestação, independentemente da duração ou da localização da gravidez. Pode ser causada por qualquer fator relacionado ou agravado pela gravidez ou por medidas tomadas em relação a ela.

As principais causas de morte materna são hipertensão, hemorragia, infecções puerperais, doenças circulatórias complicadas pela gravidez, parto e o aborto.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o Brasil conquistou avanços significativos na redução de mortes relacionadas à gravidez ou parto de 1990 a 2013. O país reduziu a taxa de mortes maternas em 43% desde a década de 90. Mesmo com esta redução, de acordo com o obstetra e diretor da Associação de Ginecololistas e Obstetras de Minas Gerais (Sogimig), Francisco Lírio Ramos, de 95% a 99% das mortes maternas são evitáveis.

“É fundamental que toda mulher na atenção primária tenha acesso a uma assistência de qualidade, com acompanhamento adequado e planejamento reprodutivo. Assim, identificado qualquer problema de saúde, ela tem um acompanhamento de controle, para que junto com o profissional de saúde possa programar a gravidez. Ao engravidar, a mulher deve ter uma assistência pré-natal. Se identificar algum risco gestacional, a mulher deve ser encaminhada para um pré-natal de alto risco”, detalha o médico. 

“Temos um novo desafio. Está entre os objetivos do desenvolvimento sustentável, propostos pela ONU, a redução de 70% dos casos de morte materna entre 2016 e 2030. Em 2015, tivemos 230 mortes maternas para cada 100 mil nascidos vivos. Por isso, o objetivo é que tenhamos uma queda para menos de 70 mortes maternas para cada 100 mil nascidos vivos”, detalha Francisco Lírio Ramos,obstetra e diretor da Sogimig. 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link