Notícias

MP questiona acordo às escuras entre Defensoria e Vale para indenizações em Brumadinho

“Esse acordo feito foi bom para ela [Vale], que construiu parâmetros de indenização afastada e longe dos atingidos", diz promotor público

Por Redação, 15/04/2019 às 10:59
atualizado em: 15/04/2019 às 11:07

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Jéssica Moreira/ Itatiaia
Jéssica Moreira/ Itatiaia

Um acordo firmado às escuras entre a Defensoria Pública de Minas Gerais e a mineradora Vale para o pagamento de indenizações a atingidos pelo rompimento da barragem em Brumadinho foi questionado pelo Ministério Público estadual. 

De acordo com o promotor André Sperling, o acordo foi completamente inesperado e faltou transparência. “Eles alegam que o acordo é extrajudicial e, de fato, é. Só que ele vai causar profundos reflexos no processo judicial.

Eticamente, houve uma falha muito grande da defensoria em não colocar isso perante a outras instituições, como a Defensoria Pública da União e Ministério Público”, criticou.

“Estamos preocupados com os atingidos, porque os pressupostos dessas negociações é a construção de uma tabela, um parâmetro de danos, construída com a defensoria, junto com a Vale, a portas fechadas, sem participação de outras instituições e os atingidos”. 

Para André Sperling, o sigilo com que o acordo foi feito gera dúvidas quanto à legitimidade da justiça das indenizações. “Ninguém sabe quais são os termos do acordo. A gente questiona por que a Defensoria e a Vale não informaram como foi feito o acordo. A gente entende que foi uma grande jogada da Vale. 

Na visão do Ministério Público, a Vale, por meio de acordos firmados às escuras, será beneficiada. “Esse acordo feito foi bom para ela [Vale], que construiu parâmetros de indenização afastada e longe dos atingidos, e, com certeza, parâmetros mais baixos, porque se fossem bons, por que não foram para o juiz e para toda sociedade? A Vale quer negociar as indenizações a portas fechadas com a Defensoria”. 

A Defensoria Pública de Minas e a Vale admitiram que firmaram um acordo para buscar indenização às vítimas da Tragédia de Brumadinho e afirmaram que o documento é sigiloso para assegurar a privacidade dos atingidos.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link