Notícias

Itatiaia entra na Nelson Hungria e conta como estão alguns dos presos mais perigosos de Minas

Por Renato Rios Neto, 30/08/2017 às 17:10

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Renato Rios Neto/Itatiaia

A Itatiaia entra na penitenciária de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, local onde habitam alguns dos presidiários mais perigosos do estado.

A partir desta segunda-feira, no Jornal da Itatiaia 1ª Edição e no Itatiaia Patrulha, o repórter Renato Rios Neto apresenta a série “Atrás das grades: a realidade depois que a casa caiu”, para mostrar que o crime não compensa – apesar de o contrário ser um discurso tão comum no Brasil, por causa da impunidade – e que, sim, as escolhas têm consequências.

Renato Rios Neto esteve com bandidos que cometeram graves crimes. Muitos são verdadeiros monstros que passarrão uma vida dentro da cela. Homens condenados a até 189 anos de prisão. Você saberá o paradeiro dos responsáveis por delitos que chocaram nosso o estado.

Neste primeiro dia, um sequestrador e homicida, único sobrevivente de um dos casos de entraram para a história do Brasil: o sequestro do coronel Edgar na década de 90, um crime que completa 27 anos nesta semana.

A penitenciária

A Nelson Hungria é uma das maiores penitenciárias do sistema prisional mineiro. Fundada em 1989, a unidade tem 2.200 detentos divididos em 12 pavilhões e quatro anexos.

No local vivem detentos condenados por alguns dos crimes que mais tiverem repercussão em Minas Gerais. Homicídios, sequestros, estupros, roubo a bancos, entre outros. Gente que cruzou a linha da lei e paga pelas próprias escolhas.

O juiz de execuções penais de Contagem, Wagner Cavalieri, explica que lá há presos que procuram voltar melhor à sociedade e os que querem permanecer no crime. “A gente tem que dar uma oportunidade para aquele sentenciado que quer buscar a ressocialização. Para aquele que não quer, basta o cumprimento da pena.”

O sequestro

Dentro da Nelson Hungria está um dos presos mais antigos da unidade: Milton Rosa, o Popó, de 59 anos, um dos sequestradores do coronel Edgar Soares.

Em agosto de 1990, Popó e quatro comparsas renderam quatro policiais militares e fugiram da penitenciária em um carro-forte. Os criminosos foram a Juiz de Fora, na Zona da Mata, e, no meio do caminho, mataram um dos reféns. Um caso que marcou a crônica policial de Minas para sempre.

Os sequestradores chegaram a falar ao vivo na programação da Itatiaia, como lembra a repórter Mônica Miranda. “Popó, Leitão, Tiãozinho, Peninha e Geraldinho. Esses nomes eu nunca mais esqueci desde quando cheguei na rádio e comecei a falar com esses sequestradores por telefone.”

A jornalista passou três dias em ligações com o grupo criminoso. “Eu não saí da rádio. Ficava o tempo todo com eles no ar. Jornalisticamente, foi emocionante. Num determinado momento, numa segunda-feira eu estava ao vivo no programa do José Lino, o Rádio Vivo, e eles ameaçaram matar o coronel. Eu negociei com esses sequestradores no ar para que não matassem”, conta.

Baleado por 18h

Atual chefe da Defesa Civil de Belo Horizonte, o coronel Alexandre Lucas era um jovem tenente da Polícia Militar em 1990 e foi uma das vítimas do sequestro. Ele viu um amigo morrer em sua frente, foi baleado na perna e, dentro do carro-forte, ficou 18h sem receber atendimento médico.

O coronel conta que, numa manhã de agosto, foi com companheiros para a Nelson Hungria fazer a última cena de um vídeo institucional, mas houve uma rebelião de presos e os militares foram rendidos. “Lá na penitenciária houve uma negociação. Reféns foram trocados por um carro-forte e nos deslocamos de Contagem a Juiz de Fora.”

Em Esmeraldas, ainda na Grande BH, houve uma reação das vítimas dentro do carro, afirma Lucas. “Eu tomei um tiro na perna, o Maurício infelizmente faleceu também em virtude de um tiro e outro refém também tomou um tiro”, descreve.

De acordo com ele, Popó era o mais violento do grupo na penitenciária. “Ele tinha uma faca e cortou a minha farda – isso, para um militar, é extremamente dolorido. Ele me espetou, bateu na minha cara.”

Coronel Edgard Soares é libertado após 12 dias mantido como refém - Reprodução/TV Globo

Anos depois, Lucas e o sequestrador se reencontraram em uma igreja batista do Bairro Regina, na Região do Barreiro, em Belo Horizonte. “Eu tive a oportunidade de dar um abraço nele e dizer que o perdoava, e realmente o perdoei. A Bíblia diz que Deus perdoa o pecado, mas não inocenta o culpado. Ele vai ter que pagar a dívida até o último centavo”, frisa o coronel.

Popó

Milton Rosa tem passagens por homicídio, assalto e sequestro. Último sobrevivente da quadrilha que sequestrou os policiais, ele se diz arrependido e convertido à religião.

Popó, que diz ter “inaugurado” a penitenciária, relembra sua trajetória na unidade. “Na primeira fuga que teve nessa cadeia, fui um dos primeiros a passar por cima do muro. Depois, houve o sequestro do coronel Edgar Soares. Nós éramos cinco. Só sobrou eu com vida. Depois, [os outros] voltaram para a cadeia e os próprios companheiros foram matando um por um. Saí de condicional e retornei – não foi porque eu fiz delito, foi porque eles revogaram a minha condicional”, enfatiza.

A entrada no crime, ele admite, foi para buscar uma vida mais fácil. “Eu era trabalhador, trocador de ônibus. Minha família é evangélica, sabe? Eles queriam que eu fosse para a igreja. Eu queria sair de casa porque queria ir para os bailes, curtir.”

Questionado se a vida delituosa compensou, é incisivo: “Depois que chega aqui dentro, numa cela, ninguém é amigo de ninguém, a não ser Jesus”, afirma ele, acreditando na possibilidade de ressocialização dos presos. “Para Deus, nada é impossível”, destaca.

Assista: relembre o sequestro dos policiais militares por detentos da Nelson Hungria

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link